Palavras de Edificação 12

(Revista bimestral edit(continua, querendo Dada entre 1980 e 1997)

ÍNDICE


Uma Carta Paterna

Enoque

A Vinda do Senhor (Cont.)

A Mente do Homem

A natureza física do cérebro

Juízo Discriminativo

Deus é Quem Congrega

Sobre o Evangelho de Mateus (Cont.)

Andando Humilhado

A Expiação

Sobre o Livro dos Atos dos Apóstolos (Cont.)

O Segredo do Poder

O Ocultismo

A Instituição do Matrimônio (Cont.)

UMA CARTA PATERNA


Um pai escreveu à sua filha; "Eu desejaria que tu dissesses mil vezes a ti mesma: 'Eu não sou minha; sou do Senhor'. Uma honra infinita, e uma grandeza incomparável de posição se incluem nesta relação. Oh! Que eu saiba estimá-la no seu justo valor.


Sou do Senhor, para ter o benefício da Sua sabedoria e conselho infalível.

Sou do Senhor, para ser preservado e defendido pelo Seu terno cuidado, neste mundo cheio de armadilhas, laços e coisas sedutoras, e espíritos malignos.

Sou do Senhor, para escutar a Sua voz, e entesourar os Seus ditos divinos.

Sou do Senhor, para a obra que Ele me tem destinado, pela designação da Sua providência e para desempenhá-la com toda a diligência, humildade e alegria.

Sou do Senhor, não somente para viver, mas também para morrer por Ele.

Isto é o que, com todo o meu coração, posso desejar para ti. Que tu, quer vivas quer morras, sejas do Senhor".


voltar ao Índice

ENOQUE


O que caracterizava Enoque "antes de ser transladado"? "Alcançou testemunho de que agradara a Deus" (Hb 11:5). Que quer dizer isso? Que ele estava consciente na sua própria alma, de que fazia o que era agradável a Deus. Não desejamos nós todos isso? Perguntemos a nós mesmos: agrada-Se Deus com os meus passos e conduta diária? É de muito valor o testemunho que Enoque alcançou diante de Deus.

(R.F.Kingscote – 1811-1888)


voltar ao Índice

A VINDA DO SENHOR

(continuação do número anterior)


Terá Lugar Antes da Grande Tribulação

Hoje em dia, há mestres cujos ensinos são errôneos. Um que se considera "doutor", afirmava crer que a Igreja seria arrebatada ao encontro do Senhor, nas nuvens, antes que o anticristo se manifestasse, e os juízos do Apocalipse fossem derramados sobre a Terra; porém, agora mudou de pensamento, e crê, e prega que a Igreja será deixada na Terra até "o último momento da tribulação".


Para dar apoio à sua idéia, cita a seguinte passagem de forma incompleta (com palavras suas intercaladas entre parêntesis): "Irmãos, rogamo-vos, pela VINDA de nosso Senhor Jesus Cristo, e pela nossa REUNIÃO com Ele, (o arrebatamento)… Ninguém de maneira alguma vos engane; porque (aquele dia) NÃO SERÁ ASSIM sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição" (2 Ts 2:1-3).


O primeiro parêntesis (o arrebatamento), é interpretação correta, pois a vinda do Senhor Jesus, segundo João 14:1-3 e 1 Tessalonicenses 4:13-18, é para recolher e arrebatar da Terra todos "os que são de Cristo, na Sua vinda" (1 Co 15:23).


O segundo parêntesis (aquele dia), é interpretação incorreta, pois, segundo este homem, refere-se ao arrebatamento do verso 1, o primeiro parêntesis introduzido dentro da citação. Porém "aquele dia", na Bíblia, não se refere ao arrebatamento do verso 1, mas ao "dia do Senhor" (ARA) do verso 2, que o "doutor" eliminou da sua citação da Palavra de Deus!


Leiamos agora a passagem completa, para que não sejamos enganados: "Ora, irmãos, rogamo-vos, pela vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, e pela nossa reunião com Ele, que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o DIA DE CRISTO (DIA DO SENHOR – ARA) estivesse já perto. Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição; o qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus" (2 Ts 2:1-4).


Talvez tenha confundido "a vinda do Senhor" (um evento que será consumado "num abrir e fechar de olhos"1 Co 15:52), com "o dia do Senhor" (2 Ts 2:2 – ARA), que começará com os juízos profeticamente anunciados no Velho Testamento, e também anunciados no Apocalipse, eventos que terão lugar progressivamente, durante alguns anos, antes do estabelecimento do reino milenar de Cristo, "o Filho do Homem" (Jo 12:34). "O dia do Senhor" (2 Ts 2:2 – ARA), é mencionado pelo menos 25 vezes no Velho Testamento, e muitas outras passagens aludem a ele. Para discernir qual será o seu caráter, é suficiente citar duas passagens: "Uivai, porque o dia do Senhor está perto; vem do Todo-Poderoso como assolação. Pelo que todas as mãos se debilitarão, e o coração de todos os homens se desanimará. E assombrar-se-ãoEis que o dia do Senhor vem, horrendo, com furor e ira ardente, para pôr a Terra em assolação, e destruir os pecadores dela" (Is 13:6-9).


"Ah! Aquele dia! Porque o dia do Senhor está perto, e virá como uma assolação do Todo-PoderosoDiante d'Ele tremerá a Terra, abalar-se-ão os céus; o Sol e a Lua se enegrecerão, e as estrelas retirarão o seu resplendor. E o Senhor levanta a Sua voz diante do Seu exército, porque muitíssimos são os Seus arraiais; porque poderoso é, executando a Sua palavra; porque o dia do Senhor é grande e mui terrível, e quem o poderá sofrer?" (Jl 1:15; 2:10-11).


Porém, a bem-aventurança, da vinda do Senhor para os Seus, está expressa nesta passagem do Novo Testamento: "aguardando (não o dia do Senhor, mas) a bem-aventurada esperança" (Tt 2:13), que se harmoniza com 1 Tessalonicenses 1:9-10: "e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir o Deus vivo e verdadeiro. E esperar dos céus a Seu Filho, a Quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura".


Assim, a vinda do Senhor Jesus para recolher os Seus, é a bendita esperança do crente, e molda o seu comportamento neste mundo de maldade, enquanto O espera, para ser como uma noiva à espera de seu esposo celestial.


Porém, os que, pelos seus ensinos errôneos, adiam a “vinda do Senhor” (1 Ts 4:15), até depois da manifestação do "filho da perdição" (2 Ts 2:3), o “anticristo” (1 Jo 4:3), e até depois da “grande tribulação” (Ap 7:14), tiram do crente a sua “bem-aventurada esperança” (Tt 2:13) e em troca apresentam-lhe uma perspectiva sem esperança e cheia de infortúnio.


Em 1 Tessalonicenses, o apóstolo Paulo falou-lhes da sua ", …caridade, …e esperança" (1 Ts 1:3). Porém, em 2 Tessalonicenses, falou somente da sua ", e caridade" (2 Ts 1:3), não da sua esperança. Os novos crentes, nessa assembléia, passavam por dura “perseguição” (2 Ts 1:4).


O inimigo das suas almas, o diabo, pôs na mente de alguém procurar enganá-los, dizendo que o "o dia do Senhor" (2 Ts 2:2 – ARA), já tinha chegado. Então, em vez de, estarem alegres com a perspectiva viva da “vinda do Senhor Jesus” (1 Ts 4:15), encheram-se de dúvidas e de medo. Talvez, fosse a maquinação de um espírito maligno, por uma comunicação verbal, ou ainda, por uma carta com a assinatura falsificada do próprio Paulo.


Porém, longe de terem que passar pela grande tribulação, eles estariam com o Senhor no céu "quando Se manifestar o Senhor Jesus desde o céu, quando vier para ser glorificado nos Seus santos" (2 Ts 1:6-10).


Confirmando a doutrina do Novo Testamento, temos tipos muito marcados no Velho Testamento. Por exemplo, "Enoque" (Gn 5:21-24) é uma figura da Igreja arrebatada ao céu. Enoque não morreu. Foi levado ao céu sem morrer. A Igreja (corpo celestial) será arrebatada ao céu, pois os mortos em Cristo ressuscitarão, e nós os que ficarmos, os que ficarmos vivos, seremos transformados e juntamente seremos arrebatados ao céu sem morrer. "Pela fé foi trasladado para não ver a morte" (Hb 11:5). Assim, Enoque, tinha uma esperança celestial. É a figura ou figura, da Igreja.


Por outro lado, "Noé" (Gn 6:8) teve que passar pelo dilúvio com a sua família. Eles foram preservados do juízo esmagador das águas que submergiram o mundo, e entraram num mundo purificado pelo juízo divino. Eles constituem uma figura do remanescente judeu (povo terreno), que se converterá depois do arrebatamento da Igreja, não havendo ouvido, e, consequentemente, não terão rejeitado o evangelho da graça de Deus. Porém, ouvirão, e crerão no evangelho do reino, as novas de que Cristo, o seu grande Messias, havia de voltar.


Assim como, Enoque é a figura da Igreja arrebatada, antes que se iniciem os eventos proféticos na Terra, Noé é a figura dos judeus crentes, que passarão pela grande tribulação: "Haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tão pouco há de haver" (Mt 24:21).


Outra confirmação da doutrina apostólica, apresenta-se na história de “José” (Gn 37:2) no Egito: Ele é a figura mais destacado do Senhor Jesus Cristo. Foi o filho muito amado do seu pai. Foi rejeitado, e vendido pelos seus irmãos. Foi entregue aos gentios, falsamente acusado e encarcerado. Pela providência divina, 13 anos depois, ele foi tirado do calabouço, e exaltado à destra de Faraó do Egito (Gn 41:46). José é a figura de Cristo morto, ressuscitado e glorificado à destra de Deus. Logo, Faraó lhe deu uma princesa por esposa, e companheira: "Asenate" (Gn 41:45), uma mulher escolhida entre os gentios. Ela é a figura da Igreja escolhida pelo Pai, e dada a Cristo durante a época em que os seus irmãos, os judeus que o crucificaram, ainda não O reconheceram. Chegarão os sete anos de fome (Gn 41:17-32), que correspondem figurativamente ao tempo da grande tribulação que há de vir. José tratou, muito sábia e fielmente, com os seus irmãos (Gn 45:1-5). Arrependeram-se, e, logo José se revelou a eles, e os perdoou. Assim vem o dia, depois do arrebatamento da Igreja, quando Ele vai humilhar os judeus, e logo em seguida perdoá-los.


Em resumo, os redimidos do Senhor desta dispensação da graça de Deus, a Igreja, subirão ao encontro do Senhor para estar com Ele; doutra forma, como poderiam acompanhá-Lo quando Ele sair do céu, acompanhado pelos seus redimidos para julgar o mundo e estabelecer o Seu reino? "Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo?Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos?" (1 Co 6:2-3)

Pensamento:

O que alimenta o "EU" – honras, talentos, erudição, riquezas, importância, e qualquer outra coisa que deleite o homem animal – faz com que Cristo, seja menos precioso, e menos nós iremos desfrutar do Seu amor. Bendigamos a Deus por tudo o que suprime o EU.


voltar ao Índice

A MENTE DO HOMEM


É preciso distinguir entre "a mente" – a habilidade mental do homem – e o "cérebro" – o órgão físico onde se situa o funcionamento da mente. "É evidente que não há ninguém que tenha jamais visto uma mente. Um cirurgião fazendo uma incisão no cérebro, pode ver nervos e vasos sanguíneos; mas para saber o que se passa no cérebro tem que perguntar ao paciente. …Só por meio da linguagem podemos obter qualquer tipo de imagem direta do funcionamento da mente";[Fonte: A Evolução da Mente – (The Evolution of Mind; Junho, 1957, "Scientific American')].


A natureza física do cérebro:

O cérebro humano pesa em média 1.500 gramas. “É uma massa de substância gelatinosa rosa acinzenta, composta de cerda de dez a quinze bilhões de células nervosas”.

O cérebrum, considerado independentemente do cérebro, é a parte principal da massa encefálica. Divide-se em duas partes; cada uma tem muitas circunvoluções; aproximadamente 65% da superfície do cérebro está enterrada nas dobras das fissuras que formam as circunvoluções; foi assim que o Criador, fazendo uso de circunvoluções maciças, aumentou para o triplo a eficiência do cérebro. Este, com a sua envoltura de "matéria cinzenta", ou seja (o córtex cerebral), que tem apenas 25,4 mm de espessura, tendo porém 2.580 centímetros quadrados de superfície, é o centro "do conhecimento, da memória, da imaginação e da razão".


"Nem sequer começamos a compreender o significado funcional do desenho tão intrincado e complexo em extremo dos vários tipos de neurônios (ou células nervosas), nas suas respectivas colocações e interligações em meia dúzia de lâminas da estrutura fina e muito densa do córtex cerebral, Cada um dos dez milhões de neurônios tem ligações com, talvez, outros cem neurônios, e estes com ainda outros cem! A profusão de interligações entre as células da matéria cinzenta está para além de toda a imaginação. Enfim, é tão rica em conteúdo que se pode considerar o córtex inteiro com uma grande unidade de atividade integrada. Agora, se insistimos em chamar ao cérebro uma máquina, então temos que concluir que é infinitamente mais intrincada que a máquina mais complexa fabricada pelo homem: o computador eletrônico.


"Os dez a quinze bilhões de células nervosas neste córtex cerebral, constituem o centro de operações. Cada um dos órgãos dos sentidos, no corpo, apresenta a informação da sua atividade à regiões específicas e bem definidas de operações. As regiões para os olhos estão situadas na parte de trás do cérebro, para os ouvidos na parte inferior de cada lado do cérebro, etc.


“Todas as mensagens enviadas ao cérebro são decifradas e classificadas; as decisões são feitas e as ordens são transmitidas aos receptores apropriados do corpo. O cérebro leva e cabo estas operações com tanta eficiência, que nossa imaginação fica perplexa. Sem nenhuma supervisão, as microscópicas células cerebrais – em números da ordem de cinco ou seis vezes o total dos habitantes do mundo inteiro – funcionam na perfeição, seja qual for a informação enviada pelas células – tal como "à comida está na mesa", ou "fogo", ou "fuja!", ou apresentando a imagem dum forno, ou duma paisagem magnífica, ou duma radiação de luz duma estrela longínqua, ou da luz vermelha dum semáforo de tráfego”. (A fisiologia da imaginação)


“Cada um dos dez bilhões de neurônios é uma unidade viva e independente. Recebe impulsos das outras células por meio de dendrites fibrosas que brotam, em intrincadas ramificações, do seu corpo central; transmite impulsos a outras células por uma única fibra delgada – o axônio, que possui uma profusão de ramificações que estabelecem o contato com numerosas células receptoras, por meio dos seus dendrites. …As ligações entre as células são estabelecidas por meio de Sinapses – junções especializadas. …Nessas sinapses, a célula transmissora secreta substâncias químicas muito específicas, cuja reação rapidíssima transporta o sinal duma célula para outra. Este processo importantíssimo produz-se, na sua totalidade, numa escala infinitamente pequena. O neurônio funciona com a potência de aproximadamente um milésimo de milionésimo de Watt!”


Para compreender melhor quão superior é o cérebro humano, apresenta-se esta comparação: "Para fazer uma central telefônica com 10.000 linhas, são precisos 500 toneladas de equipamentos. São precisos 62.000 horas-homem de trabalho para instalar a central. É preciso instalar 128 quilômetros de cabos e soldar as suas 2.600.000 conexões".


O cérebro humano, com certeza, faz infinitamente mais do que qualquer central telefônica, a qual somente transmite mensagens, porém não pode dar ordens, não pode raciocinar, falar, imaginar ou sentir.

[Adaptado e traduzido com permissão de:

“Why we Believe in Creation, not in Evolution”,

("Porque cremos na criação e não na evolução"),

por Fred John Meldau, páginas 238-240]