Palavras de Edificação 15

(Revista bimestral editada entre 1980 e 1997)

ÍNDICE


O que possuímos em Cristo

A Justificação

Sobre a Primeira Epístola aos Coríntios (Cont.)

Capítulo 1:4-17

Sobre o Evangelho de Mateus (Cont.)

Capítulo 9:18-35

A Bíblia das (assim chamadas) testemunhas de Jeová

A Instituição do Matrimônio (Cont.)

Levando as Crianças às Reuniões

Contrastes entre Israel e a Igreja

Separação

Mistérios e Milagres da Criação


O QUE POSSUÍMOS EM CRISTO


Todo o crente no Senhor Jesus Cristo tem:

  • uma vida em Cristo que não se pode perder;

  • uma justiça em Cristo que não se pode disvirtuar;

  • um perdão em Cristo que não se pode invalidar;

  • uma aceitação em Cristo que não se pode por em dúvida;

  • uma paz em Cristo que não se pode quebrar;

  • um gozo em Cristo que não se pode atenuar;

  • um descanso em Cristo que não se pode perturbar;

  • uma esperança em Cristo que não se pode desalentar;

  • uma glória em Cristo que não se pode ofuscar;

  • uma felicidade em Cristo que não se pode interromper;

  • uma força em Cristo que não se pode debilitar;

  • uma pureza em Cristo que não se pode manchar;

  • uma beleza em Cristo que não se pode alterar;

  • uma sabedoria em Cristo que não se pode frustar;

  • uma herança em Cristo que não se pode trespassar;

  • um recurso em Cristo que não se pode esgotar.

(E.W.W.)


Aleluia! Que bom e grande Salvador é o nosso!


Jesus disse-lhe: "Que convinha que se cumprisse tudo o que de Mim estava escritonos Salmos" (Lc 24:44).

O Salmo 22 dá testemunho profético da morte de Cristo como sacrifício pelo pecado, (vs.1-18).


O Salmo 16 dá testemunho profético da ressurreição do nosso Senhor.


A exaltação do nosso Senhor é o tema do Salmo 72.


A adoração universal a nosso Senhor é o grande tema do Salmo 150.

Pensamento:

Três glórias vindouras de Cristo: quando vier na Sua glória e na do Pai e dos santos anjos” (Lc 9:26).

voltar ao índice


A JUSTIFICAÇÃO


Justificar (no plano divino) é declarar justa uma pessoa. Passa a ser como se nunca tivesse cometido um único pecado.


Na cristandade, a justificação traz o crente para uma nova posição diante de Deus. O crente justificado está "em Cristo" diante de Deus. "Se alguém está em Cristo, nova criatura {criação – JND} é" (2 Co 5:17).


A graça é o seu fundamento: "Sendo justificados gratuitamente pela Sua graça" (Rm 3:24). A fé é o meio: "Concluímos pois que o homem é justificado pela fé" (Rm 3:28). O sangue é a sua base: "justificados pelo Seu sangue" (Rm 5:9).


Graça maravilhosa! Que louvor deve ressoar quando nos vemos a nós próprios "em Cristo" diante de Deus, e nos damos conta dessa posição em que a vontade e o coração de Deus nos colocou!

(Adaptado do texto de: H.E.Hayhoe)

Pensamento:

Há uma prova simples da doutrina: Exalta a Cristo ou exalta ao homem?


Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que se havia perdido” (Lc 19:10). Foi ao perdido que o Filho de Deus veio salvar. Se não se considera perdido, não poderá se apropriar de Jesus Cristo como Salvador, pois Ele somente salva os perdidos. Não pode dizer que as Suas condições são duras, somente quer que se humilhe. Aceite o verdadeiro veredito sobre o seu estado pecaminoso, aceita o fato de que é um pecador merecedor do inferno, e logo estará na posição correta, posição onde o Senhor da vida pode te reconhecer e te salvar.

voltar ao índice


SOBRE A PRIMEIRA EPÍSTOLA AOS CORÍNTIOS

(continuação do número anterior)


Capítulo 1:4-17

"Sempre dou graças ao meu Deus por vós pela graça de Deus que vos foi dada em Jesus Cristo. Porque em tudo fostes enriquecidos n'Ele, em toda a palavra e em todo o conhecimento. (Como foi mesmo o testemunho de Cristo confirmado entre vós). De maneira que nenhum dom vos falta, esperando a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo. O qual vos confirmará também até ao fim, para serdes irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de Seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor" (vs.4-9).


Antes de começar a censurar os coríntios carnais pelas suas faltas e pecados, o apóstolo Paulo – seu pai espiritual, com um coração transbordante de afeto por eles – colocou-os perante o fato de que eram sumamente enriquecidos em Cristo, que o testemunho de Cristo havia sido confirmado neles, que não lhes faltava nenhum dom espiritual e que esperavam a manifestação (ou revelação) de seu Senhor Jesus Cristo; acrescentou também que o Senhor – na Sua grande fidelidade – os confirmaria até ao fim, para que fossem irrepreensíveis no dia bem-aventurado do Senhor Jesus Cristo, quando Ele tiver consigo todos os Seus, o fruto do trabalho da Sua alma na Cruz.


De maneira semelhante, o próprio Senhor, como Cabeça da Igreja, ao apresentar-Se nas sete cartas às sete igrejas da província da Ásia, referiu em cada uma tudo quanto havia de bom e recomendável, antes de lhes chamar a atenção sobre faltas e pecados nalgumas delas (Ap 2 e 3).


"Fiel é Deus". Paulo, apesar do triste estado espiritual da igreja em Corinto, pode apoiar-se no grande fato de que "Deus é fiel" (2 Co 1:18), e que tinha chamado os coríntios convertidos ao círculo bendito da participação (ou comunhão) de Seu próprio Filho, o Senhor Jesus, segundo o beneplácito da Sua graça soberana que excede todo o entendimento.

"Rogo-vos, porém, irmãos, pelo Nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissensões; antes sejais unidos em um mesmo sentido e em um mesmo parecer" (v.10).


Nós, os crentes, não honramos como é devido o Nome de nosso Senhor Jesus Cristo, o "Nome que é sobre todo o nome" (Fp 2:9), se não falamos a mesma verdade, se não estamos de acordo em tudo, se não estamos perfeitamente unidos numa mesma mente e num mesmo parecer.

Temos o mesmo Senhor; temos o Espírito Santo morando em cada um de nós; temos a mesma Bíblia, a Palavra de Deus, nas nossas mãos. Donde vem, então, o desacordo? Não procederá da atividade da carne?


"Porque a respeito de vós, irmãos meus, me foi comunicado pelos da família de Cloé que há contendas entre vós. Quero dizer com Isto, que cada um de vós diz: eu sou de Paulo; e eu de Apolo; e eu de Cefas; e eu de Cristo. Está Cristo dividido?" (vs.11-13).


Paulo, depois de os qualificar "irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo", começou a censurá-los pelas suas inúmeras faltas, para que se arrependessem. E, é de notar que, ele não começou a sua crítica com a imoralidade crassa sem julgamento entre eles, mas com o espírito de sectarismo: "Eu sou de Paulo; e eu de Apolo; e eu de Cefas; e eu de Cristo", pretendendo fazer dos servos do Senhor, e mesmo do próprio Senhor Jesus, líderes de partidos. "Está Cristo dividido?" {"Está dividido o Cristo?" – JND}. Não! "O Cristo" significa Cristo pessoalmente, a Cabeça, com a qual estão unidos todos os crentes, membros do Seu corpo, e a Igreja, como temos em 1 Coríntios 12:12-13: "todos os membros, sendo muitos, são um só corpo assim é Cristo {“o Cristo” – JND} também. Pois todos nós fomos batizados em um Espírito formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito".


E este "um corpo" identifica-se em Efésios 1:22-23, como a Igreja: "e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da Igreja, que é o Seu corpo, a plenitude d'Aquele que cumpre tudo em todos".


Cristo e o conjunto dos crentes n'Ele, onde quer que se encontrem sobre a face da Terra, formam um só corpo, a Igreja. Não será, então, pecado dividir Cristo em partidos sectários?

"Está (“o” – JND) Cristo dividido? Foi Paulo crucificado por vós? Ou foste vós batizados em nome de Paulo? Dou graças a Deus, porque a nenhum de vós batizei, senão a Crispo e a Gaio. Para que ninguém diga que fostes batizados em meu nome. E batizei também a família de Estéfanas; além destes, não sei se batizei algum outro. Porque Cristo enviou-me, não para batizar, mas para evangelizar; não em sabedoria de palavras, para que a cruz de Cristo se não faça vã" (vs.13-17).

Paulo, não foi crucificado pelos pecadores em Corinto; nenhum líder de qualquer seita, foi crucificado pelos pecadores. Foi Cristo, somente, Quem morreu por nós; foi somente a Cristo, que Deus constituiu Cabeça da Igreja, que é o Seu corpo. Não é nosso dever, como crentes, reconhecê-Lo como Cabeça? E não a Fulano de Tal. que se faz a si mesmo como chefe ou cabeça de uma seita, uma divisão da igreja professante?

No que diz respeito ao batismo com água, Paulo não foi comissionado pelo Senhor como um "João Batista" (Mt 3:1). A sua comissão foi a de pregar o evangelho da graça de Deus, pelo qual os pecadores ouvem acerca de Cristo, e da grande salvação oferecida por Seu intermédio, e, crendo, são salvos. Paulo batizou a Crispo, Gaio e a família de Estéfanas, talvez os primeiros crentes entre os coríntios, deixando, após, a administração do batismo com água aos irmãos locais da igreja de Corinto.

O batismo com água não salva; é somente uma mudança de posição no mundo: o "judeu", ou o "grego" que se batiza faz profissão de fé em Cristo, talvez genuína, talvez falsa; somente o Senhor conhece os que são Seus. Mas o pecador arrependido que creu de coração no Senhor Jesus Cristo como o sacrifício pelo seu pecado, é perdoado, é salvo, é feito morada do Espírito Santo e unido a Cristo, a Cabeça, pelo mesmo Espírito, já constituído um membro verdadeiro da Igreja.

(continua, querendo Deus)

Pensamento:

Nós, os Cristãos, estamos no mundo para Deus.


"O morrer é ganho. …tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor" (Fp 1:21,23).


No momento de desenlace, o crente parte para "estar com Cristo" o que é "muito melhor". Há três aspectos a realçar acerca do estado dos que morreram em Cristo:

  1. a existência consciente;

  2. a relação consciente, porque o crente está "com Cristo";

  3. A bem-aventurança consciente, pois afirma-se que é "muito melhor".

A Escritura não assinala nenhum intervalo entre a morte do corpo do crente, e a sua presença com o Senhor.

(A.P.G.)

voltar ao índice


SOBRE O EVANGELHO DE MATEUS

(continuação do número anterior)


Capítulo 9:18-35

"Dizendo-lhes Ele (Jesus) estas coisas, eis que chegou um chefe, e O adorou, dizendo: Minha filha faleceu agora mesmo; mas vem, impõe-lhe a Tua mão, e ela viverá. E Jesus, levantando-Se, seguiu-o Ele e os Seus discípulos. E eis que uma mulher que havia já doze anos padecia de um fluxo de sangue, chegando por detrás d'Ele, tocou a orla do Seu vestido; porque dizia consigo: Se eu tão somente tocar o Seu vestido, ficarei sã. E Jesus, voltando-Se, e vendo-a disse. Tem ânimo, filha, a tua fé te salvou. E imediatamente a mulher ficou sã. E Jesus, chegando à casa daquele chefe, e vendo os instrumentistas, e o povo em alvoroço, disse-lhes: Retirai-vos, que a menina não está morta, mas dorme. E riram-se d'Ele. E, logo que o povo foi posto fora, entrou Jesus, e pegou-lhe na mão, e a menina levantou-se. E espalhou-se aquela notícia por todo aquele país." (vs.18-26).


O Senhor Jesus – o Jeová do povo de Israel – seguia andando e obrando o bem no meio dos judeus, demonstrando Quem era: o grande Médico do Salmo 103:3-4: "É Ele quesara todas as tuas enfermidades; Quem redime a tua vida da perdição". Não era necessário, solicitar nenhuma entrevista a um secretário administrativo, e, esperar quinze dias para poder apresentar-se diante de Jesus; Não! Ele estava sempre acessível. "Um dos principais da sinagoga, por nome Jairo" (Mc 5:22), "prostou-se aos Seus pés" – O adorou – (a atitude devida de um homem ante o seu Criador), e rogou-Lhe que restaurasse a vida de sua filha falecida momentos antes. Jairo tinha fé. Jesus, sem demorar, quer dizer, sem consultar um horário para ver quando teria uma hora disponível, seguiu-o. Colocou para fora da casa de Jairo todos os que faziam alvoroço, e igualmente todos os incrédulos que zombavam d'Ele. (Há que pôr fora de uma vez a incredulidade). Logo ressuscitou a menina.

Mas, enquanto se encaminhava para a casa de Jairo, a mulher enferma aproximou-se, "tocou a orla do Seu vestido" e logo ficou curada. Esse era o toque de fé, visto que ela "dizia consigo: Se eu tão somente tocar o Seu vestido, ficarei sã".

Talvez, haja um aspecto dispensacional a se observar aqui. Jesus veio despertar um Israel morto. No caminho, nós, pobres e gentios sem remédio para nossa enfermidade incurável do pecado, pela graça de Deus, tocamos-Lhe por fé e somos sarados. Breve vem o dia em que o Senhor cumprirá a Sua missão com Israel – então arrependido – e será ressuscitado do seu estado espiritual morto.