Palavras de Edificação 01

Atualizado: Abr 5

(Revista bimestal editada entre 1980 e 1997)


ÍNDICE


Palavras Doces Como o Mel

Ovelhas

Sobre o Livro de Atos (Cap 22:12-29)

A Instituição do Matrimônio A Mulher

A Igreja de Deus e Sua Responsabilidade

Sobre o Evangelho de Mateus (Cap 1)

Demasiado Pouco a Sós com Deus

Não Posso Cantar Isso



PALAVRAS DOCES COMO O MEL


"Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras". (1 Ts 4:18)


Há quatro palavras, especialmente em 1 Ts 4:16 que deviam ser-nos doces como o mel. A primeira delas é a palavra "mesmo". Jesus virá pessoalmente pelo Seu povo. Não mandará um redemoinho buscar-nos nem um carro de fogo, como no caso de Elias. Nem mesmo enviará os Seus santos anjos, como acontecerá mais tarde para Israel, o Seu povo terrenal. Não, mas Ele mesmo virá como o noivo para Sua noiva.


"Primeiro" (1 Ts 4:16) é outra dessas doces palavras. Os que morreram confiando no Senhor Jesus sairão de seus túmulos antes dos iníquos. O seu enterro poderá ter sido o de um indigente, mas terão uma ressurreição de soberano.


"Juntamente" (1 Ts 4:17) é a próxima palavra inspiradora. Os mortos em Cristo e nós os que estivermos vivos, seremos arrebatados juntamente, a encontrar o Senhor nos ares; um dia não sem divisões nem contendas.


"Sempre" (1 Ts 4:17) é talvez a mais doce de todas. Que triste seria se esta bendita reunião terminasse e tivéssemos de novo que nos separar do Senhor e uns dos outros! Mas a nossa segurança é que nos encontraremos naquele Dia para não mais nos separarmos.


"Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor" (1 Ts 4:16-17).

Voltar ao Índice



PENSAMENTO:

Se quisermos refletir Cristo, temos que olhar para Ele continuamente. Se quisermos imitá-Lo, temos que nos alimentar d'Ele; temos que ter a Cristo morando nos nossos corações pela fé. Se Ele está arraigado em nossos corações, sem dúvida será visto nas nossas vidas.



OVELHAS


"O Senhor é o meu Pastor; nada me faltarás" (Sl 23:1).


As ovelhas são animais que confiam instintivamente em seu pastor, conhecendo que ele já sabe onde irá apascentá-las no dia seguinte. Talvez torne ao mesmo pasto ou talvez vá a outro. Elas não se inquietam. Sempre foi um bom guia, e amanhã não irá deixar de o ser, pois que ele pensa no bem estar do seu rebanho. O Senhor é o nosso bom Pastor: "E, quando tira fora as Suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas O seguem" (Jo 10:4).


"Deitar-me faz em verdes pastos" (v.2).


As ovelhas madrugam. Às três ou às quatro horas da manhã o pastor guia-as de pastagem em pastagem de forma a alimentá-las com a erva mais rica e mais saborosa antes do meio dia. E então, se possível, conduz o rebanho a um lugar onde haja árvores e sombras, e o faz descansar. E ali as ovelhas repousam contentes.


A ovelha que rumina, engorda.

Igualmente o Cristão que medita na Palavra de Deus dá alimento rico à sua alma. "Achando-se as Tuas palavras, logo as comi, e a Tua Palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração" (Jr 15:16).

O nosso bom Pastor quer que meditemos nos delicados pastos que encontramos na Palavra de Deus, o nosso alimento espiritual. O salmista exclamou: "Oh! Quanto amo a Tua lei! É a minha meditação em todo o dia!" (Sl 119:97).


"Guia-me mansamente a águas tranquilas" (v.2).


A ovelha só bebe em lugares de águas tranquilas. Ainda que tenha sede não beberá em águas agitadas. O pastor deverá conduzi-las a um local de água calma.

As águas agitadas e sujas deste mundo de maldade não são próprias para os remidos do Senhor. Só n'Ele acharemos águas refrescantes, puras e tranquilas. "Quem crê em Mim nunca terá sede" (Jo 6:35).


"Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça por amor do Seu Nome" (v.3).


Diz-se que na Palestina cada ovelha mantém durante o dia, na ordem do rebanho, o mesmo lugar que escolheu na madrugada. Mas uma vez no dia cada ovelha deixa o seu lugar e se aproxima do pastor. Então este com a sua mão acaricia-lhe o focinho, as orelhas a fala-lhe carinhosamente. Enquanto isso a ovelha roça as pernas do pastor e, se este estiver sentado, lambe-lhe o rosto. Momentos após este encontro com o pastor ela volta ao seu lugar.

Como é doce à alma do crente ter comunhão intima com o seu Senhor, o bom Pastor! Ou de madrugada ou ao meio do dia, ou no trabalho ou no descanso, ele pode falar com o Senhor Jesus.


"Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque Tu estás comigo; a Tua vara e o Teu cajado me consolam" (v.4).


Há na Palestina um vale da sombra da morte. Tem um comprimento de 7 km, com paredes altas de 500 metros e apenas 3 ou 4 metros de largura no fundo. E perigoso atravessar esse desfiladeiro obscuro porque o fundo está cruzado por valas de 2 ou 3 metros de profundidade cavadas pela ação das águas. Se cair algum animal o atento pastor colhe-o com o seu cajado e levanta-o.

Há lobos por todo o desfiladeiro a espreita de caça. Mas o pastor sabe usar a sua vara como arma. Por isso as ovelhas não temem mal algum no vale da sombra da morte, porque o seu pastor está com elas para protegê-las do perigo.

Este mundo é esse vale da sombra da morte, pelo qual os remidos do Senhor, o seu grande Pastor, têm que andar; mas não temeremos mal algum porque Ele está conosco. Ele disse-nos: "eis que Eu estou convosco todos os dias... Não te deixarei, nem te desampararei" (Mt 28:20; Hb 13:5).


"Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos" (v.5).


Diz-se que nas pastagens da Palestina, em cada Primavera brotam várias plantas venenosas que são fatais para os animais ruminantes. O pastor vai adiante olhando em redor; e ao ver uma planta maligna arranca-a pela raiz. Põe-na sob um monte de pedras, e no dia seguinte quando ela já secou, queima-a. E é assim que as ovelhas podem pastar em segurança, porque esses seus inimigos, as plantas venenosas, já não as atormentam.

Nosso Senhor Jesus Cristo sempre nos prepara uma esplêndida mesa; fornece-nos o melhor manjar, que é a Sua santa Palavra, melhor do que o "maná" (Jo 6:58) que deu aos filhos de Israel.

Estamos sempre rodeados de inimigos; o próprio diabo e as suas hostes de demônios, homens dissolutos e maus e outros. E fazendo uma comparação com as plantas venenosas da Palestina, hoje em dia há muitíssimos livros cheios de veneno mortal para a alma do homem. Há que tirá-los de casa. Que fizeram os recém convertidos dos primeiros tempos? "Muitos dos que seguiam artes mágicas trouxeram os seus livros e os queimaram na presença de todos" (At 19:19).


"unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda" (v.5).


Ao entrar no redil à noite, cada ovelha tem que passar pela porta. Ali o pastor a examina. Se houver alguma ferida ou algo que precise da sua atenção, depois de fazer uma limpeza, toma azeite e unta a parte afetada. Logo após oferece à ovelha uma taça transbordante de água fresca. E aí ela se refresca.