A PRESENÇA e PODER do ESPÍRITO de DEUS

Atualizado: Mai 17





Cinco Grandes Coisas que o Espírito faz no Crente

(Walla Walla, Washington – 27 de junho de 2003)

ÍNDICE


Introdução

O Selo do Espírito

O Penhor do Espírito

A Unção do Espírito

A Lei do Espírito

Ser Cheio do Espírito



INTRODUÇÃO


Vamos ler João 14:16-17: “E Eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará Outro Consolador, para que fique convosco para sempre; O Espírito de verdade;vós O conheceis, porque habita convosco, e estará em vós.”


Gostaria de falar sobre a presença e o poder do Espírito de Deus, e como esse grande recurso (de termos uma Pessoa divina habitando dentro de nós) é capaz e está disposto a nos ajudar em nosso caminho Cristão.


Temos sido abençoados com muitas provisões maravilhosas de Deus para nos ajudar em nosso caminho por este mundo. A segunda epístola de Pedro 1:3, diz que Ele “nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade”. Porém o maior de todos esses é o dom da habitação permanente do Espírito em nós.


Quando o Senhor Jesus estava prestes a voltar ao céu, Ele anunciou aos Seus discípulos que a vinda do Espírito de Deus, como o “Consolador”, seria conhecida de duas maneiras:

  • Ele habitaria “com” eles.

  • Ele estaria “neles”.

Estas são as duas maneiras pelas quais o Espírito reside na Terra hoje. Quero falar particularmente sobre esta última – a presença do Espírito “no” crente – e mostrar como Ele é capaz e está disposto a nos ajudar em nosso caminho para o céu.


Então, vejamos agora algumas das funções do Espírito de Deus que habita em nós e como Ele trabalha para o nosso bem e bênção. Gostaria de apontar pelo menos cinco coisas diferentes que o Espírito faz por nós, ajudando-nos a viver para a glória de Deus.

Voltar ao índice


O SELO DO ESPÍRITO

Vamos ver primeiro em Efésios 1:13: “Em Quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo n’Ele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa”. Esta passagem nos diz quando o Espírito vem habitar em uma pessoa – é quando cremos no evangelho de nossa salvação. Se você não creu no Senhor Jesus Cristo e não depositou sua fé na obra consumada de Jesus na cruz, você não é salvo e, portanto, não poderia ter esse grande dom de Deus. No entanto, assim que uma pessoa crê no evangelho de sua salvação, o Espírito de Deus entra para selar essa pessoa e habitar nela a partir daquele momento.


Existem muitas ideias confusas sobre como o Espírito de Deus é recebido. Algumas pessoas acreditam que devem se reunir e orar, chorar e pedir a Deus que lhes dê o Seu Espírito. Alguns cantam repetidas vezes: “Senhor, dá-me o Espírito, dá-me o Espírito...”. Elas frequentemente se esforçam até alcançar um incontrolável frenesi, pedindo a vinda do Espírito. Mas, posso dizer-lhe que não é assim que o Espírito de Deus é recebido. A Escritura que acabamos de ler estabelece isso para nós; diz que o Espírito é recebido ao crermos no evangelho de nossa salvação. Receber o Espírito não é algo que devemos suplicar e implorar a Deus. Não! Recebemos o Espírito, como um selo, imediatamente após crermos no evangelho da graça de Deus, e somos habitados por Ele a partir desse momento em nossa vida.


Aqui encontramos a primeira grande função do Espírito de Deus. Tendo vindo habitar no crente, o Espírito coloca o selo de Deus sobre ele como pertencendo a Cristo. O selo do Espírito é o meio pelo qual o crente recebe a certeza de sua salvação – “tendo n’Ele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa”. Esta, eu digo, é a primeira obra que o Espírito de Deus faz no crente – para dar-lhe a certeza de que é salvo. Novamente, confio que todos nós aqui ouvimos e cremos no evangelho. Eu espero que você saiba que Jesus Cristo morreu por você na cruz e que Ele levou seus pecados; e que você sabe com certeza que é salvo. Este não é um sentimento caloroso indistinto que o Espírito nos dá, mas um entendimento do fato, estabelecido na alma.


A presença residente do Espírito de Deus está em todo Cristão. Como mencionado, a habitação do Espírito não ocorre com um enorme estrondo de trovão, ou com alguma experiência sensorial ou outro sentimento; é algo silencioso que ocorre quando, por fé, recebemos o Senhor Jesus como nosso Salvador.


O selo do Espírito é como um fazendeiro que vai ao mercado de pecuária e compra algumas cabeças de gado. Ao comprar os animais, ele coloca neles sua marca (seu selo) para mostrar que agora lhes pertencem. A ilustração fica aquém da verdade completa do selo do Espírito, porque os animais não saberiam que tiveram uma mudança de proprietário. Ao crente, por outro lado, é dado esse conhecimento.


É verdade que um Cristão pode perder a alegria de sua salvação (Sl 51:12), mas ele não perde o conhecimento de que é salvo. Deixe-me perguntar: “Você tem em sua alma a certeza abençoada de que pertence ao Senhor Jesus? Você sabe, sem sombra de dúvida, que está seguro para a eternidade por causa do sangue derramado do Senhor Jesus Cristo?” Isso acontece quando cremos no evangelho de nossa salvação e descansamos na obra consumada de Cristo na cruz. Se é assim, então o Espírito de Deus, como Convidado divino, passou a residir em sua alma e a dar-lhe a certeza de sua salvação.

Voltar ao índice


O PENHOR DO ESPÍRITO

Agora vamos olhar para outra coisa – o penhor do Espírito. Efésios 1:14 diz: “O Qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão de Deus, para louvor da sua glória”. Esta segunda obra do Espírito de habitar em nós, como o “penhor”, é nos dar uma antecipação do céu – o gozo da porção que é nossa em Cristo. O “selo” do Espírito me faz saber que sou Sua possessão, mas o “penhor” do Espírito me faz saber que também tenho possessões! O selo me diz que eu pertenço a Ele, mas o penhor me diz que existem coisas que pertencem a mim.


Hoje em dia, quando você compra um imóvel, o corretor pede o pagamento da “caução em dinheiro (penhor)” – um adiantamento, que é um pagamento parcial antecipado. Isso mostra que você realmente pretende fazer a compra e não desistirá mais tarde. Portanto, o Espírito de Deus, a nós dado como o “penhor”, é um sinal de que Deus tem toda a intenção de concluir a transação no tempo combinado. Até que Cristo venha nos levar para casa em glória, o objetivo do Espírito é ocupar-nos com nossa porção em Cristo – para nos dar a conhecer quão ricamente fomos abençoados (1 Co 2:12). Ele deseja colocar diante de nós toda a sorte de bênçãos que são nossas em Cristo para que possamos desfrutar de nossa porção antes de chegarmos lá.


Que privilégio maravilhoso é ter o Espírito habitando em nós! Ele nos ajuda a desfrutar da terra para onde estamos indo antes de lá chegarmos. Ele toma as coisas de Cristo e nos mostra, enquanto ainda estamos aqui neste mundo – dando-nos uma amostra do céu (Jo 16:14). O Sr. H. P. Barker tinha uma bela ilustração dessa obra do Espírito. Ele planejava fazer uma viagem para além do mar e prometeu levar seu filho com ele. Para a diversão do menino a bordo do navio, comprou-lhe uma luneta – não um brinquedo, mas um instrumento apropriado para o uso. Quando a viagem estava quase no fim, houve o rumor de que a terra estava à vista. O Sr. Barker disse que não podia ver nada, mas seu filho com a luneta podia ver as colinas com bastante clareza. Em seguida, ele pôde avistar o contorno das colinas, mas seu filho exclamou: “Pai, eu posso ver casas no porto e as pessoas andando no cais!” A luneta lhe dera uma visão mais clara da terra para onde estavam indo. Isso permitiu-lhe ter vislumbres dela antes que lá chegassem. É isso que o Espírito Santo, como “penhor”, faz por nós. Ele nos permite desfrutar agora das grandes coisas que constituem nossa porção eterna a nós reservadas no céu (1 Pe 1:4).


George Cutting também fez uma boa ilustração do “penhor do Espírito”. Ele contou sobre um fazendeiro que comprou algumas ovelhas no mercado e, trazendo-as para casa, entregou-as ao capataz da fazenda, dizendo-lhe para colocá-las no curral em frente ao celeiro. Então lhe pediu que fosse ao campo e cortasse um pouco de capim e colocasse no curral para que as ovelhas pudessem desfrutar dele. Depois disse: “De manhã, vamos soltá-las nesse campo, para que possam desfrutar dele plenamente!” Essa é uma bela ilustração do que o Espírito está faze