top of page

Aos Pais de Meus Netos - Parte 4



Baixe a parte 4 do livro digital nos formatos:


Baixe o livro completo digital nos formatos:

 

ÍNDICE


 

Davi


Talvez a primeira indicação de que algo estava errado na vida familiar de Davi foi quando ele começou a multiplicar esposas. Você deve se lembrar de que ele comprou sua primeira esposa, Mical, filha de Saul com a vida de duzentos inimigos do rei. Mas em 1 Samuel 25 vemos que Davi casou-se com Abigail (anteriormente esposa de Nabal, o carmelita, da família de Calebe) e Ainoã, a jezreelita.


Ora, Deus havia claramente advertido o rei do que ele deveria escolher, e em Deuteronômio 17 diz: “Tampouco para si multiplicará mulheres, para que o seu coração se não desvie” (vs. 15 e 17). Davi sabia muito bem que Deus o havia escolhido para ser rei. Ele o havia ungido rei quando ainda era jovem e ruivo. Mas em desobediência deliberada ao claro mandamento de Deus, dirigido claramente por si mesmo, Davi começou a multiplicar esposas.


Nunca nenhum de nós pode levianamente desobedecer a Palavra de Deus de forma alguma, e esperar não colher frutos amargos de nossa desobediência. Quão pouco Davi percebeu que o mal de ceder a essa concupiscência particular da carne seria tão avidamente seguido por seu ilustre filho, até que se tornou a causa de sua ruína; e a perda e ruína de grande parte de seu reino. É uma coisa má e amarga abandonar o Senhor ou qualquer um de Seus mandamentos (Jr 2:19). Alguém assinalou que a própria palavra “paixões”, as concupiscências às quais tantas vezes cedemos, é uma palavra eloquente que fala dos sofrimentos que certamente se seguirão: pois um dos significados de “paixão” é sofrimento.


O terceiro filho de Davi foi Absalão, que significa “Pai da Paz”, o que nos fala do anseio do coração de Davi pela paz, após os longos e cansativos anos de guerra e peregrinação. Mas quem era a mãe de Absalão? Maaca, filha de Talmai, rei de Gesur. E isso foi se tornando cada vez pior. Davi não apenas multiplicou esposas, mas, a fim de encontrar esposas de linhagem real, ele se voltou para as nações pagãs ao seu redor. Isso também foi uma expressa desobediência e desafio ao frequentemente repetido comando de Deus de que eles não deveriam tomar esposas das nações pagãs ao seu redor. Como Davi poderia esperar uma bênção da prole de tal união? De nada adiantou dar ao filho desta esposa um nome com tão belo significado, quando ele nasceu de um casamento feito em deliberada desobediência à clara Palavra de Deus.


E o problema não acabou aí. Absalão era um homem peculiarmente bonito: “Não havia, porém, em todo o Israel homem tão belo e tão aprazível como Absalão; desde a planta do pé até à cabeça, não havia nele defeito algum” (2 Sm 14:25). Podemos entender muito bem que um menino, um jovem tão bonito seja muito mimado por tais elogios.


Em 1 Reis 1:6, lemos sobre Adonias, filho de Hagite, que era o próximo em idade a Absalão; e o registro divino de sua criação é particularmente triste: “nunca seu pai o tinha contrariado, dizendo: Por que fizeste assim?”. Que demonstração solene e verdadeira e prática de palavras escritas um pouco mais tarde por um dos meios-irmãos de Adonias. “O que retém a sua vara aborrece [odeia – JND] a seu filho, mas o que o ama, a seu tempo, o castiga” (Pv 13:24). Quão diferente poderia ter sido a história de Davi e Salomão, e tudo o que se seguiu depois, se os filhos de Davi tivessem levado algumas boas varadas quando eram pequenos.


Adonias “era ele também mui formoso de aparência; e Hagite o tivera depois de Absalão”. Talvez não estejamos errados ao supor que a educação de Absalão foi na mesma linha que a de seu irmão mais novo; de modo que temos uma imagem indescritivelmente triste desses dois belos rapazes, de idade avançada, criados sem correção de qualquer tipo, mas autorizados a fazer sua própria vontade e seguir seu próprio caminho, um caminho que levou cada um deles a uma morte prematura e violenta. Em nossos dias chamamos esse método de educação de “autoexpressão”, e há aqueles que são tolos o suficiente para defendê-lo; mas o resultado prático, conforme anunciado pelo Espírito Santo, deve dar a cada um de nós uma tal advertência para que, agradecidos, possamos fugir desse método perverso e insensato de criar filhos, e adotarmos aquele estabelecido na Palavra de Deus.


Mas devemos seguir Davi adiante. Em 2 Samuel 11:1 lemos: “E aconteceu que, tendo decorrido um ano, no tempo em que os reis saem para a guerra, enviou Davi a Joabe, e a seus servos com ele, e a todo o Israel, para que destruíssem os filhos de Amom e cercassem Rabá; porém Davi ficou em Jerusalém”. Por que o rei Davi ficou em casa quando era o “tempo em que os reis saem para a guerra”? Foi indolência? Era o que parecia. Joabe e seus servos e todo o Israel estão lutando, e o rei Davi está ocioso em sua casa! Esta é uma história diferente do início ou dos últimos anos da vida de Davi. “Satanás ainda encontra algum dano para mãos ociosas fazerem”, e não precisamos nos perguntar que ele forneceu uma armadilha na qual Davi caiu com muita facilidade.


“E aconteceu, à hora da tarde, que Davi se levantou do seu leito, e andava passeando no terraço da casa real” Tudo fala de indulgência própria, ociosidade e indolência. E todo esse tempo Joabe e seus servos e todo o Israel estavam lutando nas batalhas do rei. A triste história continua: “e viu do terraço a uma mulher que se estava lavando; e era esta mulher mui formosa à vista”. Por que, oh, por que Davi não desviou os olhos instantaneamente? A indulgência anterior de sua concupiscência havia cauterizado aquela consciência terna que é de valor inestimável e, em vez de desviar os olhos, ele a cobiçou e não ficou satisfeito até obter o objeto de sua concupiscência.


Qualquer um de nós poderia facilmente ter feito a mesma coisa se estivéssemos no lugar de Davi. A maioria de nós não foi suficientemente cuidadosa para manter nossa própria consciência inteiramente sensível e imaculada, ou rápida o suficiente para desviar nossos olhos de visões que mexem com nossas paixões, para poder atirar pedras em Davi.


E o resto da triste e humilhante história de mentira e homicídio poderia ter sido a história deste escritor ou sua, querido leitor, se tivéssemos sido colocados nas mesmas circunstâncias, se não fosse pela graça de Deus. Mas mesmo tal pecado pode ser perdoado, e ao clamor de um coração quebrantado: “Pequei contra o Senhor”, vem a réplica instantânea: “Também o SENHOR perdoou o teu pecado” (ACF).


Mas tal semeadura deve produzir uma colheita, e vemos isso em onda após onda de problemas que varreu o rei em seus últimos anos. O pequeno bebê, nascido desse ato perverso, morre; e Davi se curva a esse golpe de disciplina. Mas há mais. O que Davi fez a Bate-Seba, mulher de Urias; agora seu filho mais velho, Amnom, faz com Tamar, a bela filha de Davi. Triste, triste registro. Não é de se admirar que quando o rei Davi ouviu falar de todas essas coisas, ele ficou muito irado (2 Sm 13:21). Mas será que Davi percebeu que foi ele mesmo quem deu o exemplo perverso diante de seu filho mais velho do pecado que agora tanto o irritou e humilhou?


E isso não é tudo. Tamar era irmã de Absalão, e a má ação de Amnom encheu seu coração de ódio por seu irmão, que ele não descansou até que o matasse. E então segue mais triste colheita de sementes más semeadas anos antes. Absalão foge do país para encontrar refúgio, em vez de punição, com seu avô materno pagão, Talmai, rei de Gesur. Lá ele se sente a salvo da vingança que deveria, de acordo com a lei de Deus, ter caído sobre ele.


Você conhece a triste história do banimento temporário e, em seguida, um retorno e até mesmo um beijo de perdão de seu pai indignado, sem uma única palavra dizendo: “Pai, pequei contra o céu e perante ti e já não sou digno de ser chamado teu filho”.


Então segue a conspiração e o furto do coração dos homens de Israel (2 Sm 15:6). A conspiração chega ao auge e Absalão manda chamar Aitofel, o gilonita, conselheiro de Davi (2 Sm 15:12). “E era o conselho de Aitofel, que aconselhava naqueles dias, como se a Palavra de Deus se consultara” (2 Sm 16:23). Como foi que Absalão teve o atrevimento de mandar chamar o conselheiro de confiança de Davi? Esta foi outra parte da dolorosa colheita do pecado anterior. Aitofel parece ter sido o avô de Bate-Seba, e podemos entender que ele nunca perdoou Davi pelo tratamento que deu à neta (Compare 2 Sm 11:3 e 23:34).


Seguimos o quadro triste e tenebroso; iluminado, é verdade, por vislumbres de devoção por Itai, o geteu; e outros, velhos e jovens, israelitas e estrangeiros, mas todos fiéis seguidores de um rei rejeitado. Mas a imagem como um todo fica mais sombria e triste, até que observamos a dor agonizante daquele nobre rei, ao saber da morte de seu filho perverso. É uma das visões mais tristes que Deus em Sua sabedoria nos mostra em todo o Seu Livro. Suponho que dificilmente haja um choro mais triste do que aquele que saiu do coração partido daquele pai: “Meu filho Absalão, meu filho, meu filho Absalão! Quem me dera que eu morrera por ti, Absalão, meu filho, meu filho!” Ninguém, exceto um pai, pode entender as terríveis profundezas da angústia contidas naquele choro, amargo choro.


Muito diferente foi a morte da criança de Bate-Seba, conforme registrado em 2 Samuel 12. Ali Davi podia dizer: “Eu irei a ela, porém ela não voltará para mim”. Bem sabia Davi que a separação de seu filho amado, Absalão, era eterna. Talvez não haja nada tão triste quanto a morte sem esperança. A morte, o Rei dos Terrores, e depois da morte, o conhecimento do indubitável julgamento; e, além disso, com punição, punição eterna e sem fim. Que nenhum pai Cristão conheça a dolorosa dor de tal separação.


Mas mesmo isso não é o fim da triste história. Quando Natã procurou Davi depois de seu terrível pecado, e contou-lhe a história do homem rico que havia tomado a ovelhinha de seu vizinho pobre, Davi, em justa indignação, sentenciou aquele homem rico a restaurá-lo “quadruplicado” (2 Sm 12:6). Mas o profeta havia respondido: “Tu és este homem”; e Deus permitiu que a sentença de Davi permanecesse contra ele mesmo. Vimos três dos “cordeiros” de Davi serem tirados dele: mas um quarto deve ir; e lemos a triste história da morte de Adonias em 1 Reis, capítulos 1 e 2, especialmente 2:24-25. Em grande verdade, “o homem rico” restaurou “quadruplicado”.


Tal foi o fruto indescritivelmente amargo, cujo início foi um passo na desobediência à Palavra de Deus. Senhor, guarda-nos!

 

Itai


Em meio a toda a tristeza que acabamos de contemplar, brilha o amor fiel de Itai, o geteu. Você se lembra que Golias também era um geteu, então Itai e Golias originalmente vieram do mesmo lugar, Gate, e talvez fossem amigos. Eu gosto de pensar, embora eu possa estar completamente errado, que Itai foi atraído por Davi pela primeira vez quando ele matou o campeão em quem Itai confiava. Mais tarde, Davi foi a Aquis, rei de Gate, para se refugiar de Saul (1 Sm 21), levando consigo a espada de Golias. Não é de se admirar que eles não o tenham recebido como amigo e que Davi tenha que fingir que estava louco para escapar; mas mais uma vez Itai deve ter visto, ou ouvido falar, daquele que ele seguiria mais tarde. No final de suas andanças, a fé e a paciência de Davi parecem ter falhado, e mais uma vez ele se volta para Gate em busca de refúgio.


Desta vez, ele é recebido pelo rei e recebe uma cidade para morar; de fato, Aquis promete fazer de Davi o “guarda da minha cabeça para sempre” (capítulos 27 e 28). Teria sido durante esses dias de rejeição que Itai aprendeu a conhecer e amar Davi? Não sabemos com certeza se foi assim ou não; mas podemos supor que tenha sido assim. E Itai leva todos os seus homens e todos os seus pequenos, e deixa a terra dos filisteus, sua terra natal, atraído, não pela prosperidade da terra de Israel, mas pela pessoa do rei de Israel. Não sabemos por quanto tempo ele desfrutou da prosperidade da terra, mas Davi disse dele: “Ontem, vieste”. E agora o rei é mais uma vez expulso e novamente prova o que é ser rejeitado. A maior parte de Israel está do lado dos rebeldes, mas não há um momento de hesitação com Itai. Ele e todos os seus homens e seus pequenos deixam imediatamente a terra de sua adoção para seguir o rei rejeitado onde quer que ele o leve. O rei lhe disse: “Por que irias tu também conosco? Volta, e fica-te com o rei, porque estranho és, e também te tornarás a teu lugar. Ontem, vieste, e te levaria eu hoje conosco a caminhar? Pois força me é ir aonde quer que puder ir; volta, pois, e torna a levar teus irmãos contigo, com beneficência e fidelidade”. Como nosso coração vibra com a resposta: “Vive o SENHOR, e vive o rei, meu senhor, que no lugar em que estiver o rei, meu senhor, seja para morte seja para vida, aí certamente estará também o teu servidor”. Isso nos lembra da resposta de Rute a Noemi. Ambos eram estrangeiros gentios. Foi o grande poder do amor que atraiu, conquistou e encheu completamente o coração deles, de modo que sua pátria e os parentes foram deixados para trás sem hesitar. Bem sabiam eles o significado das palavras: “Quem ama o pai ou a mãe mais do que a Mim não é digno de Mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a Mim não é digno de Mim. E quem não toma a sua cruz e não segue após Mim não é digno de Mim” (Mt 10:37-38).


O que aquela resposta de Itai devia significar para o coração de Davi naquele momento? Sua resposta é tão curta: “Vem, pois, e passa adiante”. Nem uma palavra de agradecimento ou elogio. Por que isso aconteceu? Acho que o coração de Davi estava cheio demais para palavras naquele momento; e Itai entendeu. Há momentos em que a afeição entra tão intimamente no coração que as palavras não são necessárias; na verdade, elas apenas destoam e ficam fora de lugar.


E assim. “passou Itai, o geteu, e todos os seus homens, e todas as crianças que havia com ele”. E naquela noite, quando chegou a hora de dormir dos pequenos, não havia camas quentes e aconchegantes; mas eles continuaram andando, descendo aquelas colinas íngremes e selvagens até o rio Jordão, e através de suas águas escuras na calada da noite; como tudo deve ter sido estranho! Posso ouvir aqueles pequeninos: “Papai, para onde vamos? Por que saímos de casa, papai?” E Itai responde: “Estamos seguindo o Rei!” Isso basta, e arrisco-me a dizer que o coração daqueles pequeninos está preso ao seu Rei com laços de amor que nunca poderão ser rompidos.


Oh, meus queridos, procurem levar seus pequenos queridos a conhecer e amar o Rei deles; procurem ganhar suas afeições para Ele enquanto ainda são pequenos. Você acha que aquelas crianças ansiavam pelo conforto, facilidade e luxo da casa que deixaram para trás, quando com seus pais vagavam, seguindo o Rei? Mesmo para uma criança, tal pensamento seria rejeitado como totalmente indigno.


“Itai”

“Por que vais comigo?”

Disse o rei repudiado –

Disse o rei, desprezado, rejeitado,

Destronado.


“Volte para o teu lugar,

Para o teu rei de outrora –

Aqui um peregrino e um estrangeiro,

Nada mais.


“Não para ti são as cidades belas,

Colinas de trigo e vinho –

Tudo foi repartido antes de você chegar,

Nada é teu.


“Vagando onde quer que eu vá,

Exilado dos meus,

Vergonha, rejeição eu posso te conceder;

Somente isso.


“Volta e leve teus irmãos de volta,

Vive com teu povo;

Eu te amei, eu, o proscrito;

Fica bem”.


Então, para o rei sem coroa.

Nas margens do Cedrom,

Todo o deserto diante dele,

Itai jurou,


“Como o Senhor vive e o rei,

Sempre senhor para mim,

Onde o rei estiver, na morte ou na vida,

Eu lá estarei.”


Vá – passe adiante”, disse o rei;

Então passou Itai adiante;

Passou para o local de exílio

Desde as margens.


Ele e todos os seus pequeninos,

Concedido por essa palavra,

Vergonha, rejeição, vagando sem lar

Com seu senhor.


“Vai – passa”, palavras de graça,

Faladas, Senhor, para mim,

Para que, na morte ou na vida, onde

Tu estás eu possa estar.


Morto e crucificado Contigo,

Além da minha condenação;

Pecado e lei para sempre silenciados

Em teu túmulo.


Além da poderosa maldição,

Morto, livre do pecado;

Não para ti, a alegria e a música da terra,

Não para mim.


Morto; o pecador passou e se foi,

Não apenas o pecado;

Vivendo onde Tu estás em glória,

No trono.


Escondido lá com Cristo em Deus,

Essa vida abençoada eu compartilho;

Cristo é Quem vive em mim –

Vive lá.


“Aquele que Me serve”, disse Seus lábios,

“Que ele siga-Me,

E onde Eu estiver Meu servo.”

Sempre estará.”


Siga, aonde Seus passos conduzem,

Pela rua dourada;

Longe nas profundezas da glória

Siga Seus pés.


Até o trono de Deus,

Do Cordeiro, eu venho;

Lá para compartilhar as boas-vindas abençoadas,

Bem-vindo ao lar!


Lá com Aquele que o homem rejeitou,

Na luz acima,

Aqueles a quem Deus Seu Pai honra,

Tal é Seu amor.

(Paul Gerhardt)

 

Barzilai, o Gileadita


“E era Barzilai mui velho, da idade de oitenta anos; e ele tinha sustentado o rei, quando tinha a sua morada em Maanaim, porque era homem mui grande”. O rei convida Barzilai para ir com ele a Jerusalém, “sustentar-te-ei comigo em Jerusalém”. Mas Barzilai sente que está velho demais para isso e não serviu a seu Mestre rejeitado por recompensa ou reconhecimento; foi o amor que tão generosamente deu de sua substância ao rei naqueles dias mais sombrios, e o amor não dá por recompensa. Mas ele acrescenta (como suponho que todos acrescentaremos no próximo dia): “e por que me recompensará o Rei com tal recompensa?” E então, embora ele mesmo quisesse voltar para casa, ele oferece seu filho Quimã para ir com o rei; “e faze-lhe o que bem parecer aos teus olhos”. E o rei respondeu: “Quimã passará comigo, e eu lhe farei como bem parecer aos teus olhos” (2 Sm 19).


O que Davi fez pelo filho de seu velho amigo, que cuidou dele em sua rejeição? Não sabemos ao certo, mas poderia ser que ele compartilhou com ele o seu próprio patrimônio familiar em Belém? Sabemos que nosso Rei compartilha Seu régio lar com aqueles que compartilham Sua rejeição. De qualquer forma, lemos em Jeremias 41:17 daqueles que foram “habitar em Gerute-Quimã (ou habitação de Quimã), que está perto de Belém”. E há quem pense que esta deveria ser a “pousada de Quimã”, e que depois, talvez, foi esta mesma estalagem na qual “não havia lugar” para o Rei dos Reis, e assim na sua manjedoura, em Belém, o grande Filho maior de Davi veio ao nosso mundo, rejeitado, como Davi havia sido, em pequena medida, antes d’Ele. Não podemos saber com certeza sobre isso, mas sabemos que Davi não se esqueceu daquele que havia compartilhado sua rejeição e, em seu leito de morte encarregou seu filho Salomão, recomendou especialmente aos seus cuidados, não apenas “Quimã”, mas “os filhos de Barzilai, o Gileadita”.


É algo abençoado ter o privilégio de compartilhar a rejeição de Jesus e ainda mais abençoado que nossos filhos compartilhem essa rejeição conosco. Eles, e nós, compartilharemos a glória no dia vindouro com Aquele que aprendemos a amar em Sua rejeição. Há quem diga: deixem os filhos escolherem por si mesmos. Não era assim com aqueles nobres de antigamente. Com eles, os filhos, claro, foram com os pais. Que assim seja, cada vez mais, com seus pequenos.


Mas não posso me abster de mais uma pequena palavra sobre Quimã, embora não esteja exatamente de acordo com o assunto que temos diante de nós. O nome Quimã significa “Grande Desejo”, “Espera”. Vem de uma raiz hebraica, significando “almejar” qualquer coisa; ocorre apenas uma vez na Bíblia, Salmo 63:2, “minha carne anseia por Ti” (KJV). Esse nome não nos fala do intenso desejo do coração mais íntimo do nobre pai de Quimã; como ele “ansiava” pelas bênçãos prometidas, mas esperava por tanto tempo, por seu povo Israel? Talvez eu não devesse dizer “pelas bênçãos”, mas sim “pelo Abençoador”; pois não é por “elas”, mas “minha carne anseia por Ti”. E assim aconteceu que, embora o próprio Barzilai não pudesse ir a Jerusalém com Davi, seu “desejo” foi até lá e habitou com o rei. Vou citar um antigo poema que encontrei recentemente e que tocou profundamente meu coração, e espero que possa levar uma mensagem de esperança para você também:


“Quimã passará”


O Rei atravessou o rio

Jerusalém está livre;

Este deserto está cansado,

Esta carne é escravidão:


Por um tempo Ele habitou entre nós,

Com quem não foi assim:

Doravante nosso Rei e Salvador

Não mais em carne nós O conhecemos.


Ele entrou no Jordão pedindo

Que estivéssemos com Ele;

A glória que Ele carrega

Ele orou para que pudéssemos ver;


“Pai, Eu quero” (ouvimos,

Pensei ter ouvido meu nome)

“Que aqueles que Me deste

Estejam Comigo onde Eu estiver.”


O homem não pode contemplar a glória,

Como outrora contemplava a graça;

Nem no Senhor Se regozijando,

Como no rosto desfigurado do Homem;


Um pouco em Gileade

Nossa morada deve ser,

Mas nosso “desejo” passará,

E habitaremos, ó Senhor, Contigo.


Eu morava junto ao Jordão ansiando

Para que eu pudesse partir logo,

E num “dia do Senhor” uma visão

Encantou meu coração ansioso.


Eu vi no Monte Sião,

Ao redor do Cordeiro Real,

Doze vezes doze mil virgens

Dos homens redimidos elas vieram.


Uma voz de muitas águas

Subiu de toda aquela multidão,

A voz de harpistas tocando,

Uma canção com voz de trovão,


Diante do trono e dos anciãos

E criaturas vivas próximas;

Nenhum não redimido poderia aprendê-la,

Nenhum não redimido poderia entoá-la.


E cada boca era símplice,

Cada vestimenta imaculada;

Deus em cada testa havia escrito

O Nome que sela Seu filho,


E, enquanto eu olhava, meu Salvador

Sorriu para mim com graça;

“Vem, Eu te alimentarei

Em Jerusalém Comigo.”


A visão desapareceu de mim;

Acordei para a Terra novamente;

Diante de mim estava o Jordão

Atrás de mim estendia-se a planície,


Mas ainda habitava sobre mim

O olhar e o sorriso de Meu Salvador;

E palavras sussurravam em meus ouvidos,

Suas Palavras: “ainda um poucochinho.”


“Ainda um poucochinho” — junto ao Jordão

Minha peregrinação deve ser;

Mas meu anseio passou,

E eu desejo habitar Contigo.


“Ainda um poucochinho” – quanto tempo ainda tenho de vida,

Para que eu vá ser um rei Contigo?

Trabalho e tristeza, tudo que a carne pode dar,

E oitenta anos como o limite da vida para mim!


Posso discernir entre o bem e o mal?

Triste divindade vazia que o homem pensou ganhar!

E deve Tua bondade preciosa fluir, para encher

Uma alma em farrapos, um vaso adequado ao pecado?


Pode Teu servo provar

O fruto da vida de que Teus conquistadores se alimentam?

Deverão os lábios impuros o maná escondido desperdiçar,

As águas vivas para onde o Cordeiro conduz?


Posso ouvir a voz

Daqueles que cantam “Salvação” o dia todo,

Cujos olhos contemplam o Rei, cujo coração se regozija

Com gozo indizível, que ninguém tira?


Não – ainda não – não ali,

Para ser um fardo para meu Senhor, o Rei.

Não – que esta casa terrena se dissolva para compartilhar

Sua vida, a quem Deus Contigo novamente trará.


Um pouco mais do caminho eu, Teu servo, irei.

Um pouco além do Jordão com meu Senhor.

E por que – levará a eternidade para saber –

Por que Ele deveria me recompensar com tal recompensa?


O espírito pesado e a carne fraca

Contigo por algum tempo ainda serão crucificados,

Cujo olho nunca foi ofuscado, Cuja força da natureza

Não diminuiu, até que Ele que morreu vença?


Assim eu, Senhor, no Jordão,

Serei primeiro batizado Contigo;

No entanto, leve meu anseio além,

Para Jerusalém, a livre.


E se por algum tempo o espírito

Queimar vagamente por dentro,

E a carne fraca ficar mais fraca

Com ferida ou ferida do pecado;


Eu pensarei n’Aquele que conquistou

E guardou a coroa para mim;

E meu anseio irá além

E usá-la agora contigo.


Quando pesaroso por um tempo,

Com múltiplas tentações,

Quando a fé desconfia de Tua bondade,

Quando o amor está esfriando;


Ansiarei por saber a certeza

Daquilo que eu não vejo;

E meu anseio irá além

E conhecê-Lo agora contigo.


Quando pão de lágrimas for dado,

Ou lágrimas abundantes para beber,

Eu ansiarei pelo maná escondido,

Em Cristo minha vida eu pensarei,


Cujas correntes alegram a cidade

Onde o choro não haverá;

E meu desejo irá além

Para o Paraíso Contigo.


Se por um tempo eu sofrer,

Perfurado com os espinhos que crescem,

Para que não esqueçamos o deserto

E toda a aflição de nossa natureza;


No entanto, dessa voz de harpistas,

A tristeza e o suspiro fogem;

E meu anseio irá além

E ouvi-los cantar para Ti.


Em Gileade e junto ao Jordão,

Minha tenda por enquanto deve estar

Firme, junto à “coluna” cujo “testemunho”

É: “Jesus morreu por mim”;


Firme à beira do Jordão,

Cuja correnteza cada vez mais forte

Ainda, enquanto meus pés limpam,

Está sussurrando, “Jesus morreu”.


E sobre a enchente eu olharei, e ansiarei

Por Jerusalém, a livre;

Enquanto o espírito na carne falível

Segue pesadamente;


E meu sinal será o pavio que fumega

A cana trilhada será:

Mas meu único desejo não falhará;

Eu sempre ansiarei por Ti


E algum dia, enquanto anseio,

Acho que meu Senhor virá!

E num piscar de olhos

Estarei livre, no Lar;


E minha alma, que tem sede de Deus,

Não terá mais sede;

E minha fome será saciada,

E todos os meus anseios, superados.


(C. H. Waller, 1865)


Eu havia parado aqui na história de Barzilai, embora meu caderno me referisse a três versículos em Esdras 2:61-63. Mas eu não suportava ver o nobre nome de Barzilai manchado com qualquer marca de falha, e então decidi desconsiderar minha nota. Mas o Espírito de Deus é um Historiador muito Fiel para encobrir todas as falhas, embora muitas delas Ele cubra, e quanto ao resto, Ele parece deleitar-Se em esconder essas falhas onde poucos as encontrarão. Assim, agora com meu livro terminado, não posso mandá-lo para você, com aquela anotação em meu velho caderno, ainda não riscada, e muito contra minha vontade, devemos examinar juntos a causa da mancha naquele belo nome Barzilai.


O assunto nem veio à tona por quase quinhentos anos, não até depois do retorno do cativeiro na Babilônia. Então os filhos de Habaías, os filhos de Coz, os filhos de Barzilai... “buscaram o seu registro entre os que estavam registrados nas genealogias, mas não se acharam nelas; pelo que por imundos foram rejeitados do sacerdócio. E o tirsata lhes disse que não comessem das coisas sagradas até que houvesse sacerdote com Urim e com Tumim”.


E qual foi a causa dessa vergonha e degradação? Por que essas pessoas não puderam traçar sua genealogia? Muitos anos antes, um de seus antepassados casou-se com uma filha de Barzilai, o gileadita. Sem dúvida, foi considerado um casamento muito bom para o jovem sacerdote e, sem dúvida, trouxe consigo riquezas e honras; pois vimos que Barzilai era um homem muito grande, um caráter muito nobre (seu próprio nome significava “Ferro do Senhor” para indicar que ele era “mais firme e verdadeiro”), e ele era tão imensamente rico que, como temos visto, ele poderia de seus próprios meios particulares cuidar do rei durante sua rejeição.


Não era nada simples tornar-se genro de um homem assim; e o jovem sacerdote, contrariando a ordem de Deus, renunciou ao seu próprio nome e assumiu o nome de sua esposa: e assim em Esdras ele aparece com o nome de “Barzilai”. Mas seu próprio nome sacerdotal estava perdido; e estava perdido pelo desejo de avanço mundano, riquezas, e honra. Sem dúvida, ele ganhou tudo isso; e ele provavelmente pensou que o preço que pagou era muito pequeno; mas quão pouco ele pensou que seu ato, cerca de quinhentos anos depois, custaria a seus filhos o abençoado e privilegiado lugar de sacerdotes! Mas não podemos obter progresso nas coisas do mundo sem perda nas coisas do céu. E no final descobriremos que as riquezas e honras do céu são mais duradouras do que as da Terra, por mais tentadora que seja a oferta agora (Veja Ed 2:61).


Não cabe a nós dizer quem foi o culpado, mas é triste, triste ver o nome de Barzilai, o gileadita, ligado no Livro de Esdras, com esta história de dor e vergonha.


Não preciso apontar as lições para nós; elas são muito simples para exigir comentários; mas posso apontar para o final da passagem como uma abençoada mensagem de esperança. Para nós, um Sacerdote levantou-Se com Urim e Tumim, e Ele conhece o coração: Ele sabe se a genealogia é realmente verdadeira, se houve o novo nascimento, mesmo que anos de contato com o mundo, possam tê-lo escondido aos olhos dos outros.

 

Saul


Realmente deveríamos ter olhado para o rei Saul antes, bem como para seu filho Jônatas, mas vamos olhar um pouco para eles agora, em conexão com Mefibosete.


A família do rei Saul é tão triste que eu gostaria de passar por ela. Saul parece ter sido um homem sem fé, e sem fé é impossível agradar a Deus. Este não é o lugar para traçar a triste história deste homem infeliz que teve um começo tão brilhante e um fim tão trágico.


Sabemos pouco sobre a família de Saul, exceto seu filho Jônatas e Mical, sua filha, que se casou com Davi. Jônatas foi morto com seu pai e dois irmãos, Abinadabe e Melquisua, na batalha do Monte Gilboa. Isbosete, outro filho, assumiu o trono de seu pai e reinou por talvez sete anos: anos de guerra constante com Davi, o rei escolhido por Deus. No final desse tempo, dois de seus servos o mataram em sua própria cama. Davi o chama de “um homem justo”. Dois outros filhos de Saul, Armoni e Mefibosete, foram enforcados perante o Senhor pela iniquidade de seu pai ao quebrar o concerto com os gibeonitas. Quando Davi foi rejeitado, Mical se tornou a esposa de Adriel, o meolatita. Ela teve cinco filhos deste casamento, todos os quais foram enforcados com seus tios que acabamos de mencionar. A própria Mical foi mais tarde restituída a Davi, mas porque ela desprezou o marido na época em que a arca foi trazida para Jerusalém, “Mical, filha de Saul, não teve filhos, até ao dia da sua morte” (2 Sm 6:23). Seria difícil encontrar um fim mais terrível para uma família inteira, e não duvido que o pai seja o responsável. Ele começou rejeitando a Palavra do Senhor, e o Senhor o rejeitou (1 Sm 15:26). Que lição indescritivelmente solene para todos os pais. A Palavra do Senhor reivindica autoridade sobre nós, e não podemos rejeitá-la impunemente. Ele se voltou, com ciúmes, contra Davi, o homem escolhido por Deus, e o odiou com um ódio enfurecido. Na noite anterior à sua morte, ele reconhece: “Deus Se tem desviado de mim”, e então pede ajuda a uma feiticeira, ao próprio diabo.

 

Jônatas e Mefibosete


A história da família de Saul nos deixa com o coração partido: e ainda assim havia um raio brilhante da graça de Deus mesmo ali. Jônatas, que significa “o Senhor deu”, filho de Saul, é um das pessoas mais encantadoras de toda a Bíblia. Seu amor por Davi ainda é uma palavra familiar. Depois que Davi matou Golias, “a alma de Jônatas se ligou com a alma de Davi; e Jônatas o amou como à sua própria alma. E Jônatas se despojou da capa que trazia sobre si e a deu a Davi, como também as suas vestes, até a sua espada, e o seu arco, e o seu cinto” (1 Sm 18:1, 4). E aquele coração amoroso sempre foi fiel a seu amigo. Diante do ódio amargo de seu pai, Jônatas sempre foi fiel a Davi. Leia a comovente separação entre esses dois, quando Davi teve que fugir para salvar sua vida: “e beijaram-se um ao outro e choraram juntos, até que Davi chorou muito mais. E disse Jônatas a Davi: Vai-te em paz, porque nós temos jurado ambos em nome do SENHOR, dizendo: O SENHOR seja perpetuamente entre mim e ti e entre minha semente e a tua semente”. Eu sei que, enquanto Davi voltava seu rosto para a vergonha e a rejeição, “Jônatas entrou na cidade”. Quão mais feliz ele estaria compartilhando a rejeição de Davi! Seu coração estava com Davi, no entanto, e ele o visita na floresta, “e fortaleceu sua mão em Deus” (1 Sm 23:16). Mas as mesmas palavras tristes seguem: “Davi ficou no bosque, e Jônatas voltou para a sua casa”. Eles nos lembram de nosso Senhor e Mestre: “Cada um foi para sua casa. Porém Jesus foi para o monte das Oliveiras” (Jo 7:53; 8:1). Era a atração de sua própria casa? ou foi lealdade a seu pai? Por que, oh, por que Jônatas não compartilhou de todo o coração a rejeição daquele que ele realmente amava e a quem ele reconhecia como o legítimo rei? Não sei os motivos: só sei que ele não compartilhou da rejeição. Acho, espero, que não foi que seu amor falhou. Pedro uma vez abandonou seu Senhor, e acho que não foi porque seu amor falhou. Eu também posso me lembrar de momentos em que não estive disposto a compartilhar a rejeição de meu Senhor. Lembro-me de momentos em que não O confessei diante dos homens. Em mais de uma ocasião tive que soluçar as palavras de Pedro: “Senhor, Tu sabes todas as coisas; Tu sabes que eu Te amo”, mesmo que as aparências fossem todas contrárias. Naquela noite escura que Pedro O negou, ninguém estava disposto a compartilhar a rejeição de seu Mestre, mas “todos os discípulos, deixando-O, fugiram”. Quando Seu servo Paulo se apresentou diante de Nero, ele percorreu o mesmo caminho que seu Mestre e escreveu: “Ninguém me assistiu... todos me desampararam”. E hoje nosso Mestre é tão verdadeiramente rejeitado quanto foi naqueles tempos antigos. Não pense, amado, que é uma coisa leve seguir o “esquecido e rejeitado Jesus”. Não é; e poucos existem hoje que estão em posição de culpar Jônatas com muita força sem se condenarem a si mesmos.


É uma história triste. Em vez de estar “ao lado” do rei (como duvido que ele estaria, se tivesse compartilhado sua rejeição), Jônatas, uma das pessoas mais encantadora e um dos soldados mais corajosos, morre no monte Gilboa; e seu filhinho fica aleijado para o resto da vida devido a uma queda enquanto sua babá tentava salvá-lo. Mefibosete é criado em Lo-Debar, “Sem Pasto”, o mais longe possível do rei: na rejeição que seu nobre pai havia previsto quando fez uma aliança com Davi antes de sua morte.


Mas que coração não se emocionou em Mefibosete! Davi mostra-lhe a “beneficência de Deus”, “por amor de Jônatas, teu pai”, e traz aquele órfão pobre, coxo e sem esperança para comer em sua própria mesa como um dos filhos do rei, enquanto o servo de seu avô, Ziba, com seus quinze filhos e vinte servos, lavravam a sua terra: porque o rei lhe deu como herança, “tudo o que pertencia a Saul e de toda a sua casa”.


Não podemos parar para traçar esta bela história, tanto quanto eu gostaria: mas devemos olhar para o encontro entre Davi e Mefibosete, quando o rei voltou de seu exílio: “Por que não foste comigo, Mefibosete?” pergunta o rei. Pois era verdade que Mefibosete não havia saído de Jerusalém com o rei. Seu perverso servo Ziba mentiu sobre ele e corrompeu a mente do rei em relação a ele: enquanto Mefibosete estava em casa de luto, coxo demais para andar, e seu servo não trouxe o jumento que ele ordenou que fosse selado para ele. Durante todo esse tempo ele “não tinha lavado os pés, nem tinha feito a barba, nem tinha lavado as suas vestes desde o dia em que o rei tinha saído até ao dia em que voltou em paz”. Eu costumava ficar intrigado com a resposta injusta do rei: “Tu e Ziba reparti a terra”, quando Mefibosete disse ao rei que era leal como sempre. Mas agora eu sei exatamente que essa resposta era necessária para fazer a devoção verdadeira, leal e indivisa do coração de Mefibosete brilhar com o brilho que merecia, como ele diz: “Tome ele também tudo, pois já veio o rei, meu senhor, em paz à sua casa”. Casas e terras não eram nada para Mefibosete quando ele tinha o rei que amava.


Existem poucas histórias mais tristes na Bíblia do que essas duas sobre as quais estivemos pensando, mas talvez por um lado, em nenhuma a graça de Deus, “a beneficência de Deus”, brilhe mais intensamente; e, por outro lado, raramente encontramos lealdade amorosa como a que encheu o coração de Mefibosete. Senhor, dá-nos coração como o dele!


E Mefibosete havia aprendido a verdadeira Fonte de onde vieram todas as suas bênçãos, pois ele tinha “um filho pequeno, cujo nome era Mica”; e o significado de Mica é: “Quem é semelhante ao Senhor?” Um clímax mais encantador para uma história mais encantadora!

 

Benaia, Filho de Joiada


Dificilmente posso ignorar Benaia. Desde que eu era criança e minha mãe nos contava essas histórias, eu sempre amei Benaia. Ele era um dos homens poderosos de Davi. Que menino e, de fato, que menina, não se deleitou com os feitos daqueles “valentes”?


“Benaia, filho de Joiada, filho de um homem valoroso de Cabzeel, grande em obras, este feriu dois fortes leões [heróis – ARA] de Moabe; e desceu ele e feriu um leão no meio de uma cova, no tempo da neve. Também este feriu um homem egípcio, homem de respeito [de grande estatura – ARA]; e na mão do egípcio havia uma lança, porém Benaia desceu a ele com um cajado, e arrancou a lança da mão do egípcio, e o matou com a sua própria lança” (1 Cr 11:22) (Os homens de Moabe, fortes como leões não nos falam da carne? O leão na cova, não nos fala do diabo e o egípcio do mundo?).


Joiada, pai de Benaia, era chefe dos aronitas (1 Cr 12:27). A família veio de Cabzeel, como vimos acima, que era uma das cidades mais distantes da tribo dos filhos de Judá em direção à costa de Edom ao sul (Js 15:21). Em 1 Crônicas 27:5 ele é mencionado como “o oficial-mor e chefe”. Por todas as contendas e ciúmes que acompanharam a ascensão de Salomão ao trono, quando até mesmo Joabe se desviou para apoiar Adonias, Benaia sempre foi verdadeiro e leal.


Mas em nossas meditações, é como um pai que desejamos pensar em Benaia. Ouvimos muito pouco dele nessa atividade; mas em 1 Crônicas 27:5-6 lemos em conexão com os oficiais de Davi: “O terceiro capitão do exército do terceiro mês era Benaia, filho de Joiada, oficial-mor e chefe; também em sua turma havia vinte e quatro mil. Era este Benaia um varão entre os trinta, e sobre os trinta; e sobre a sua turma estava Amizabade, seu filho”.


Que conforto para o coração de um pai ter um filho em quem, conforme os anos passam, ele possa se apoiar. Que entendimento, que confiança, que comunhão esses dois devem ter tido. Isso nos lembra de Timóteo, que como um filho junto ao seu pai, trabalhou com Paulo no Evangelho. Para quem já provou, não pode haver nada mais doce. Que Deus o ajude e lhe dê a sabedoria necessária quando os filhos são pequenos, para torná-los seus companheiros, de modo que, quando forem mais velhos, você e eles naturalmente trabalhem juntos. Você sabe, tanto quanto eu, como seu pai falhou neste mesmo assunto: que não seja assim com você.

 

Filho de Abner


Você conhece a história de “Abner, filho de Ner, tio de Saul” (1 Sm 14:50). Você se lembra de que ele era o capitão do exército de Saul (2 Sm 2:8) e lutou pela família de Saul por alguns anos depois que Davi foi coroado rei. Davi parece sempre ter honrado e admirado Abner, e quando finalmente ele veio fazer as pazes, Davi o recebeu e lhe deu um banquete. Joabe tinha ciúmes de Abner e naquela época o matou a sangue frio. Foi por esse ato, em parte, que Joabe foi posteriormente condenado à morte. Davi nos conta o que pensava de Abner, quando disse: “Não sabeis que, hoje, caiu em Israel um príncipe e um grande?”.


É muito revigorante, em vista desse triste homicídio, descobrir que Davi nomeou Jaasiel, filho de Abner, governante da tribo de Benjamim (1 Cr 27:21).


G. C. Willis

 

347 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page