top of page

Os Patriarcas - Abraão 2 - Parte 6/18

Baixe o livro digital nos formatos:

 

ÍNDICE


 

Os Patriarcas

John Gifford Bellett

 

Abraão

Parte 2

 

Uma mentira

Depois disso iremos, com nosso patriarca, para a terra dos filisteus, onde ele peregrinou durante os tempos de Gênesis 20-21.


O antigo acordo entre Abraão e Sara é posto em prática novamente, depois de tanto tempo, agora em Gerar, como antes havia acontecido no Egito. Foi feito entre eles antes de deixarem seu país natal. Foi trazido com eles desde o local de seu nascimento. Posso dizer que isso estava neles muito antes do que qualquer coisa feita por Deus; e depois de muitas mudanças e exercícios, a mesma coisa permanece neles e com eles.


Foi uma coisa muito má – tanto sutil quanto impura. Era falsa, e, no entanto, ilusória, e cheirava fortemente à serpente, daquele que é mentiroso e pai da mentira. Abraão foi forçado a revelá-la, por mais vil que fosse, ao rei de Gerar. “E aconteceu que, fazendo-me Deus sair errante da casa de meu pai, eu lhe disse: Seja esta a graça que me farás em todo o lugar aonde viermos: dize de mim: É meu irmão” (Gn 20:13). Isso foi pior do que poderíamos temer. Não houve um princípio na vida de fé que não fosse contraditado por um pacto tão vil como este, trazido com eles desde o próprio local de seu nascimento. E tal é a carne, a corrupção inata. Seu caminho, sempre que é seguido, é vergonha e profunda desonra. Degrada um santo mesmo diante dos homens. É isso que confundirá e exporá um Abraão diante de um Abimeleque. E ela nunca muda, nem melhora, nem deixa de existir. É a mesma no Egito e em Gerar. Ela ainda vive em nós e nos segue por toda parte. Obtemos isso ao nascer, desde os lombos de Adão; e devemos, pela consistência natural do nosso caminho como chamados de Deus, mortificá-la e recusá-la.


Na verdade, é lamentável ter que ver uma coisa como esta. Mas o Espírito de Deus não esconde nada. Aí está diante de nós, essa coisa vil e perversa no caminho do Espírito que registra tudo. Temos, no entanto, outros objetos mais felizes.


O progresso de Sara 

O progresso da alma de Sara, sob a luz e direção do Senhor, deve ser seguido em seu próprio caminho peculiar e instrutivo. Sob a influência da carne, ela, no início, juntou-se a Abraão neste pacto impuro, do qual acabei de falar. Em incredulidade, ela posteriormente, como também vimos, deu Agar ao seu marido; e então, na pressa e na rebelião do coração, ela se ressentiu dos efeitos daquela incredulidade e expulsou a escrava, a quem ela havia adotado e estabelecido na família. Mas por ordem do Senhor, Agar voltou para ela; e agora, na época dessa ação, ela havia estado com ela em casa durante quatorze anos. Não houve nela, no entanto, nenhuma manifestação da mente renovada, ou de vida de fé. Foi mesmo durante esses anos que, incrédula, ela riu da promessa, atrás da porta da tenda. Mas ainda assim, posso dizer, durante esse período, em certo sentido, ela estava na escola; e ela parece ter aprendido uma lição, pois se submeteu com paciência e sem resistência à presença da escrava e do filho na casa do seu marido. Não ouvimos falar de novas disputas entre elas. Isso era algo; um testemunho de que ela estava nas mãos de Deus, até que finalmente, como sabemos, ela recebeu fé para conceber a semente (Hb 11). Uma grande jornada, porém, depois de tudo isso, está agora prestes a ser percorrida pelo seu espírito. Ela deve assumir a liderança até mesmo sobre seu marido. E isso é feliz – bastante comum também entre os santos – mas feliz, muito feliz. E se tivéssemos um coração liberto – um coração entregue apenas ao desejo da glória de Cristo – deveríamos nos regozijar com essas descobertas, feitas nas regiões do Espírito, embora nós mesmos tivéssemos que ser humilhados por elas. “Os derradeiros serão primeiros, e os primeiros, derradeiros”. Estes estão entre os caminhos das “almas nascidas de novo” e ainda devem ser discernidos por aqueles que “marcam os passos da graça”. Paulo poderia dizer de alguns: “que foram antes de mim em Cristo”; mas podemos ousar acrescentar, nesse caso, embora ele não o tenha dito: “O último foi primeiro”. E a liberdade generosa da alma redimida apenas se gloriará nesses atos soberanos do Espírito.


A elevação de Sara acima de Abraão nas coisas do reino de Deus aparecerá agora como ilustração de tudo isso. Em obediência ao mandamento, Abraão chama o filho que nasceu de Isaque. Mas Sara interpreta esse nome: e este é um exercício mais refinado da alma sobre o dom de Deus. Obedecer a uma palavra é bom; mas obedecê-la no gozo de um coração exercitado e na luz e inteligência de uma mente que entrou no sentido divino dessa palavra, é melhor.


A ousada fé de Sara 

Abraão chamou o filho que lhe nasceu de Isaque; mas Sara disse: “Deus me tem feito riso; e todo aquele que o ouvir se rirá comigo”. O oráculo de Gênesis 17:19 se tornou para ela mais do que um mandamento a ser observado. Tinha fontes de refrigério e chamas de alma. Estava cheio de luz e significado para o entendimento aberto de Sara. E isso conduz à força e à decisão. Aquela Débora dos dias antigos fortalecerá os lombos de Baraque. “Deita fora esta serva e o seu filho”, diz Sara a Abraão; pois ela estava feliz na liberdade da graça e da promessa, enquanto ele ainda permanecia entre as reivindicações da natureza e os desejos que seus próprios lombos haviam gerado. “Deita fora esta serva e o seu filho; porque o filho desta serva não herdará com meu filho, com Isaque”. E esta era Escritura, como lemos em Gálatas 4; esta era a voz de Deus. Esta decisão de fé, na liberdade da graça, é imediatamente selada pelas próprias mãos de Deus. “Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou”, diz o Espírito. E o que satisfez a mente do Senhor, nos dias de Sua carne, como a fé que era ousada e livre, dessa maneira? A fé que usaria d’Ele sem cerimônia, que O alcançaria através de uma multidão, que o pressionava através das censuras silenciosas de um fariseu que julga mal, ou através dos sussurros injuriosos de uma multidão hipócrita! E quanto da energia do Espírito em Paulo está empenhado em dar ao pecador esta preciosa ousadia, esta imediata segurança de coração em Cristo, apesar da lei, da consciência, da Terra e do inferno!


Esta ousadia de fé em Sara, este desafio da escrava, esta exigência (em seu próprio nome também) de que ela pudesse desfrutar sozinha de seu Isaque, é Escritura (Gl 4:30). Ela falou como “os oráculos de Deus” (ARA). Mas em Abraão a natureza agora atua. Ele de bom grado manteria Ismael. Isto não é algo estranho. A natureza agora atua em Abraão e a fé em Sara; como, numa ocasião anterior, que notamos, a natureza agiu em Sara e a fé em Abraão. Mas a natureza em Abraão deve submeter-se. Ele não deve permitir que Sara fique mais embaraçada neste jugo de escravidão. A casa deve ser libertada de Ismael, pois será construída somente em Isaque. “o filho da escrava não será herdeiro com o filho da livre” (TB).


Glória entra 

Mas tudo isso rapidamente dá seus frutos. Tendo Agar partido e a casa estabelecida em Isaque de acordo com esta exigência de fé, a glória está, portanto, rapidamente pronta para entrar. Pois esta é a ordem divina. Tendo “entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes; e nos gloriamos na esperança da glória de Deus”. Tal é a ordem do Espírito na alma de tal santo; e tal é a ordem agora na casa mística de nosso Abraão.


Abraão é procurado pelos gentios. Isto está cheio de significado. Nos dias de estresse e fome, Abraão procura os gentios, seja no Egito ou na Filístia; mas agora, o gentio procura Abraão. Esta é uma grande mudança. A casa de Abraão, como vimos, está agora estabelecida em graça. Ismael é despedido e Isaque é glorificado. No sentido místico, Israel se voltou para o Senhor, o véu foi removido, Jerusalém disse a Cristo: “Bendito Aquele que vem em nome do Senhor”, sua guerra é, portanto, realizada, e ela está recebendo o dobro. O gentio busca Israel. Abimeleque e Ficol, o rei e seu capitão-chefe, vão até Abraão.


Esta é uma grande mudança dispensacional. Israel é a cabeça agora, e não a cauda. A orla da veste do Judeu agora é segurada pelas nações; pois o Judeu, pela fé, se apegou ao Senhor, e as nações dizem: “Deus está convosco” (Gn 21:22; Zc 8:23).


Isto está cheio de significado; e Abraão em tudo isso (guiado pelo Espírito) está cheio de pensamentos de glória ou do reino. E com razão. Porque, quando o Judeu é procurado pelos gentios, em vez de ser pisoteado ou degradado pelos gentios, o reino está próximo. Consequentemente, quando o rei de Gerar o procura e lhe suplica, nosso patriarca ergue um novo altar; não o altar de um estranho celestial, como em Gênesis 12, mas um altar ao “Deus eterno”; não um altar num mundo deserto, mas um altar ao lado de um bosque e de um poço; aquele sendo um testemunho de que os lugares secos se alegraram e que o ermo estava exultando; a outra, que os povos da Terra estavam confederados com a semente de Abraão. (O Senhor Jesus, em Seus dias, reconheceu esta mesma promessa ou sinal do reino. Pois quando os gregos vieram para a festa e pediram para vê-Lo, como o gentio aqui procura Abraão, Seus pensamentos estão imediatamente em Sua glória. Ele sabe de fato que a glória só será alcançada por Sua morte, e assim Ele testifica; mas ainda assim, Seus pensamentos vão imediatamente para a glória. Leia sobre isso em João 12:23.)


Beleza moral 

Toda esta inteligência brilhante da fé em Abraão é muito bonita. Já vimos outras atuações dela nele. Ele conheceu um tempo de paz e um tempo de guerra, e agiu de acordo no dia da batalha dos cinco reis contra quatro. Então, novamente, ele conhecia seu lugar celestial e o tomou, quando o fogo do Senhor julgava as cidades da planície. Então, novamente, como este capítulo de Gênesis 21 nos mostra de maneira muito notável, ele também sabia quando sofrer injustiça e quando se ressentir, quando ser passivo e quando fazer valer seus direitos. Pois agora, no tempo deste capítulo, quando o gentio o procura, ele repreende Abimeleque por ter um poço de água que os servos de Abimeleque haviam tomado com violência. Mas ele não havia reclamado dessa injustiça até agora; pois Abimeleque lhe disse: “Eu não sei quem fez isto; e também tu mo não fizeste saber, nem eu o ouvi senão hoje”. E isso é extremamente belo. É perfeito em sua geração. Abraão havia sofrido até agora e suportado pacientemente, porque até agora ele havia sido um estranho celestial na Terra; e tal sofrimento paciente em tal pessoa é aceitável para Deus. Mas agora, os tempos mudaram. O estrangeiro celestial tornou-se o cabeça das nações, procurado pelos gentios; e os acertos e erros devem agora ser resolvidos e o clamor dos oprimidos deve ser ouvido.


Tudo isso contém grande beleza moral. Não sei como admirar suficientemente esta obra do Espírito na mente de Abraão. Ele era um israelita que conhecia as estações do ano – quando estar na Páscoa e quando estar na Festa dos Tabernáculos. Ele sabia, em espírito, quando continuar com Jesus em Suas tentações e, então, novamente, quando chegasse o dia, como cercá-Lo de hosanas quando Ele entrasse na cidade do Filho de Davi. Todas essas luzes variadas e mescladas brilharam na inteligência espiritual de sua alma. Deus, pelo Espírito, comunicou uma mente maravilhosa a Abraão. Em outros dias, ele não teria tanto desta terra para pisar – ele entregaria a escolha da terra a Ló – ele deixaria o cananeu onde o encontrou – ele se recusaria a ser enriquecido pelo rei de Sodoma, mesmo que seja apenas um fio ou uma correia de sapato – ele vagava para cima e para baixo em sua tenda aqui, um estranho do céu – mas agora, em um dia anunciado e marcado pela mão de Deus, ele pode ser outro homem, e conhecer seu lugar milenar, como pai do Israel de Deus, e seu representante como cabeça das nações. Ele pode celebrar a Festa dos Tabernáculos em sua época. Sua repreensão a Abimeleque – seu entretenimento a Abimeleque – seu enriquecimento a ele – seu compromisso com o concerto com ele – e tudo isso com uma dignidade tão fácil e consciente – e então seu novo altar ou seu chamado a Deus em um novo caráter, e sua plantação de um bosque, todos falam de outro homem, e que uma transfiguração, se assim posso falar, ocorreu nele, segundo Deus.


Um homem morto e ressuscitado 

Julgo que tudo isso tem um grande caráter. Mas não ficarei mais aqui; pois há ainda mais nesta excelente vida de fé que nosso pai Abraão, pela graça, seguiu até o fim, mantendo ainda o início de sua confiança.


E aqui, deixe-me dizer, esta vida de fé é, em outras palavras, uma vida vivida no poder da ressurreição. É a vida de um homem morto e ressuscitado. É uma lição, se pudermos falar pelos outros, realmente difícil de ser aprendida de maneira eficaz, mas ainda assim é a lição, a lição prática de nossa vida, de que somos um povo morto e ressuscitado. No início, Abraão, em espírito, assumiu esse caráter. Ele deixou para trás tudo o que a natureza ou o mundo lhe proporcionaram. Deixou aquilo ao qual o seu nascimento lhe havia introduzido, por aquilo ao qual a fé lhe havia introduzido. E como ele começou, assim ele continuou e terminou, com falhas no caminho, de fato, e isso também repetidas vezes, mas ainda assim, até o fim, ele foi um homem de fé, um homem morto e ressuscitado.


Como tal, ele recebeu Isaque, há cerca de vinte anos, sem considerar seu próprio corpo agora mortificado, nem ainda a mortificação do ventre de Sara; e como tal ele agora oferece Isaque sobre o altar pela palavra do Senhor. A promessa era de Deus – isso era suficiente para ele. Pois a fé nunca é superada. Possui recursos divinos e infinitos. O crente falha repetidas vezes; mas a fé nunca é superada ou fica aquém da sua expectativa (Gn 22).


Este é o caminho da fé, quando Isaque foi exigido. (Existem mistérios, bem como ilustrações de fé nessas coisas; mas não posso segui-los aqui. A oferta de Isaque em Moriá, nenhum de nós duvida, é um mistério. Assim, eu certamente sei, é também a ação de Agar e Ismael em Gênesis 21. É a imagem do atual Judeu proscrito, mas preservado – um fugitivo sem-teto, destinado, no entanto, a futuros propósitos de misericórdia - veja Gálatas 4:25. Mas não sigo essas coisas particularmente aqui.) E a mesma fé vitoriosa que traçamos na cena seguinte, o sepultamento de Sara. Esta era a mesma fé, a fé de um homem morto e ressuscitado, a fé que já tinha recebido Isaque e oferecido Isaque, agora sepulta Sara. Abraão cria na ressurreição e em Deus como o Deus da ressurreição, o Deus que vivifica os mortos e chama as coisas que não são como se já fossem. A cova de Macpela nos diz isso. “Terra à terra, pó ao pó, cinzas às cinzas, em esperança segura e certa”, era a linguagem do coração de Abraão ali. A compra daquele lugar, com todo o cuidado de torná-lo seu, de tê-lo como sua possessão, embora além dele ele não se importasse com um único acre de toda a terra, nos fala de sua fé na ressurreição. Seu tratado com os filhos de Hete é como suas palavras a seus servos ao pé do monte Moriá: “Ficai-vos aqui com o jumento, e eu e o moço iremos até ali; e, havendo adorado, tornaremos a vós”. Cada uma dessas coisas revelava de antemão o que ele sabia sobre seu Isaque e sua Sara. Ele entregou cada um deles nas mãos d’Aquele que, como ele sabia, vivifica os mortos. O grão de trigo morrendo, como ele sabia, viveria novamente. O punhado de pó sagrado, como ele sabia, seria ajuntado novamente. A própria morte foi encarada como vitória da fé, como já havia sido contemplada o fogo, a lenha e a vítima amada no altar (Veja o relato em Gênesis 23);


Fé calma 

Estas foram novamente as vitórias da fé. A fé em nosso patriarca, dessa maneira, dirigiu-se calmamente em todas as circunstâncias e venceu a todas, cada uma por sua vez. Maravilhosas vitórias de “fé igualmente preciosa”! E eles ainda são ganhos. A fé ainda elimina uma circunstância após outra à medida que surge. Ela enfrenta a nossa condição pessoal de “mortos em delitos e pecados”; enfrenta as dificuldades e tentações do caminho; enfrenta o último grande inimigo. Não me deixe admirar por encontrar coisas no caminho, ou no final dela, se já encontrei o que me resistiu no início. A fé irá ao monte Moriá, ou à cova de Macpela, se ela já tiver saído na noite estrelada com o Senhor em Hebrom. Se ela encontrou morte em minha própria pessoa, poderá encontrá-la em meu Isaque ou em minha Sara. É falado da Sua graça, e não da própria experiência. Mas ainda assim, amados, que cada um de nós diga: Não estou em paz com Deus? Não sei que Ele é por mim? Não sei que minha situação de pecado, culpa e condenação foi resolvida em Sua graça? Não sei que fui lavado, aceito, adotado? Não saí com Abraão, como na noite de Gênesis 15, e encontrei alívio para meu próprio estado natural, e não devo então continuar meu caminho, mesmo que me aguarde a provação do monte Moriá, ou a morte e sepultamento em Macpela? Se a fé já encontrou o pecado, é para que ela saiba que é vencedora até da morte. Que nossa alma se acostume ao pensamento de que a mais brilhante vitória da fé foi alcançada no início – que, se estamos em paz com Deus, apesar do pecado, podemos contar com a força e o conforto d’Ele, apesar das provações do caminho, e no poder e triunfo n’Ele, apesar do fim dele. A fé que realizou sua primeira obra realizou a sua maior obra. “Se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de Seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela Sua vida” Deus é glorificado nessas considerações de fé. “Aquele que nem mesmo a Seu próprio Filho poupou, antes, O entregou por todos nós, como nos não dará também com Ele todas as coisas?”


Este é o poder da vida sobre a morte, da vida na vitória que a fé usa. Foi desse tal poder de vida vitoriosa que Abraão se apossou pela fé. O sepulcro está vazio e os trajes mortuários estão ali, como despojos de guerra. A mortificação de seu próprio corpo, o altar de seu Isaque e o sepulcro de sua Sara, foram visitados e inspecionados por um homem ressuscitado, à luz da fé d’Aquele que é o Vivificador dos mortos, e chama aquelas coisas que não são como se já fossem.


Ainda um estranho e peregrino 

Estas são as grandes coisas de fé na alma dos eleitos. Mas ainda mais longe, nesta história fecunda e cheia de mudanças. Abraão, no final, é visto mantendo sua primeira posição, bem como obtendo suas vitórias como no início. Ele mantém, pela graça, em pé e firme, aquela mesma atitude que ele assumiu imediatamente e no início, quando pela fé deu ouvidos ao chamado de Deus.


Esse chamado de Deus fez essas duas coisas com Abraão, posso dizer, por Abraão; isso o separou da Mesopotâmia e ainda assim o deixou como um estranho em Canaã. Ele havia sido retirado do seu país, da sua família e da sua casa paterna; mas ainda assim, no meio daquela terra e do povo para o qual ele havia vindo, ele seria apenas um peregrino, habitando como se estivesse na superfície dela, em uma tenda, em qualquer parte dela que ele pudesse passar ou visitar.


Esta posição era muito santa. Sua separação foi dupla: separação da contaminação, tais como as que ele poderia encontrar em Canaã; separação de alianças naturais, tais como as em que ele nasceu na Mesopotâmia. Ele estava sob o chamado do Deus da glória; e tal chamado não fez acordo nem com a carne nem com o mundo. Em certa medida de santidade levita, ele não conheceu os filhos de sua mãe; em certa medida de santidade da igreja, ele não conheceu nenhum homem segundo a carne. Não; além de tudo isso, em alguma virtude de seu divino Senhor, ele não conhecia a si mesmo. Ele era o herdeiro da terra onde era um peregrino. A promessa de Deus era dele, tão certa quanto o chamado.


Ele sabia que estava destinado, por propósito divino e incontestável, à dignidades de ordem muito elevada. Mas até o fim ele estava disposto a passar por desconhecido, totalmente desconhecido. Ele falava de si mesmo para os filhos da terra apenas como sendo um estrangeiro e peregrino. Ele pagaria pelo menor terreno que quisesse. Ele não seria nada e ninguém no meio deles. Ele nunca falou das dignidades que ele sabia, o tempo todo, estarem realmente ligadas a ele. Davi, com o mesmo espírito, em outros dias, tinha sobre si o azeite de Samuel, a consagração de Deus ao trono das tribos de Israel; e ainda assim ele ficava escondido e agradecia a um vizinho rico, em sua necessidade, por um pedaço de pão. Esses homens de Deus não conheciam a si mesmos. Este foi o caminho do nosso Abraão; e esta foi a virtude d’Aquele que, neste mesmo mundo morto e mau, tornou-Se sem reputação, embora fosse o Deus do céu e da Terra.


Benditas virtudes da alma sob o poder do chamado de Deus, por meio do Espírito Santo! A Mesopotâmia foi abandonada, Canaã foi afastada e o eu foi esquecido e escondido! O chamado de Deus se propõe a fazer hoje conosco o que naquele dia fez com Abraão. O chamado estaria inclinado a nos conformar consigo mesmo. Sua autoridade é suprema. Não é que o país ou a família estejam, necessariamente, contaminando. A natureza os credencia; e a lei de Deus, a seu tempo, os reconhece e aplica. Mas o chamado de Deus é supremo e exige separação de uma ordem muito elevada, bela e peculiar. E foi isso que se dirigiu a Abraão quando ele habitava na Mesopotâmia, o lugar de seu nascimento, de sua parentela e de suas associações naturais, e foi isso que ainda ecoou em seu coração durante todo o tempo de sua peregrinação em Canaã.


Fiel ao Seu chamado 

Não é que ele tenha sido chamado para afirmar o dano de tais coisas. De forma alguma. Mas essas eram as tais coisas que o chamado de Deus deixou para trás; e o dano, ou o erro moral, ou a contaminação de uma coisa não era mais sua regra, mas inconsistência com o chamado de Deus. Ele pode permitir o direito e a reivindicação de mil coisas; mas é a voz do Deus da glória, à qual ele já havia ouvido pela fé, que deve guiá-lo e comandá-lo. “Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus”.


Ele foi muito fiel ao seu chamado. De acordo com ele, no início ele havia partido, sem saber, diante de si, para onde ele ia, e deixando, para trás de si, tudo o que até a própria natureza precisa atribuir, e tudo, exceto o prazer soberano da sanção de Deus. Ele continuou no poder dela, peregrinando em tendas, desconhecido e desapossado, um estranho no mundo, recusando-se a dar um passo para trás. E no final, encontramos o mesmo poder de seu chamado tão fresco em sua alma como sempre – tão determinado e tão simples em Gênesis 24 como havia sido em Gênesis 12. Ele incumbe Eliezer de agir de acordo com ele na íntegra, como ele mesmo havia feito no início – isto é, ele deveria manter Isaque no lugar de separação a todo custo. Aconteça o que acontecer, Isaque não deveria ser levado de volta à Mesopotâmia, nem aliado a Canaã. Ele deveria, por mais difícil que as circunstâncias pudessem, ser mantido em seu verdadeiro lugar sob o chamado de Deus.


O estranho celestial 

Isso tem um grande caráter. Há outro mistério neste extraordinário capítulo 24, como comumente sabemos; mas não comento isso aqui. Prefiro traçar o caminho determinado e simples, que a fé trilhou do início ao fim, em nosso pai Abraão. A voz do Deus da glória ainda era ouvida por ele. Ele ainda era o homem separado. Ele declarou claramente que buscava um país celestial. Ele pode ter tido a oportunidade de retornar. Esta mesma jornada de Eliezer provou que ele não havia esquecido o caminho. Mas ele não fez isso, ele não faria isso.


Esta atitude de estrangeiro do nosso patriarca na Terra tem realmente um caráter muito superior. Ele deixou a Mesopotâmia, peregrinou em Canaã, escondeu-se ou esqueceu-se! Abraão deixou Abraão para trás, bem como o seu país, a sua família e a sua casa paterna. Ele se tornou sem reputação. Ele falou de si mesmo como “estrangeiro e peregrino”, e assim apenas, aos ouvidos dos filhos de Hete, embora ele fosse, o tempo todo, “o que tinha as promessas”. Tudo isso era uma verdadeira e sincera atitude de estrangeiro no mundo. E foi a cidadania consciente no céu que fez dele, dessa maneira, um voluntário estrangeiro aqui. Por causa das possessões em perspectiva, ele poderia passar sem elas em mãos. A terra prometida era para ele apenas um país estranho, porque era apenas uma terra de promessa e não de possessão. Ele viu o dia de Cristo e se alegrou; mas ele viu isso de longe (Hb 11:9-14).


E Abraão foi tudo isso até o fim – como nos mostram estes capítulos finais. O caráter que ele assumiu no início, sob o chamado de Deus, esse caráter ele manteve até o fim. Ele falha no poder da fé ao longo do caminho, repetidas vezes, mas ele é o mesmo estrangeiro celestial até o fim de sua jornada. (Na história mística da Terra que nos é dada em Levítico 23, a Igreja é apresentada como o “pobre” e o “estrangeiro” colhendo as espigas caídas no campo de outro homem, no versículo 22. Mas da mesma forma em que ela entrou naquele campo, ela o deixa. Ela era a pobre, e a estranha, e a respigadora no campo de outro, até o fim. O campo nunca se torna sua propriedade.)


Nossa atitude estrangeira 

Vista à luz desta bela figura, é o que o Cristianismo é sob os olhos de Deus!


E estou profundamente certo de que a nossa atitude estrangeira é desta ordem. Pertence a nós o sermos estrangeiros na terra, por causa da cidadania consciente e bem conhecida no céu; separação do mundo, por causa da unidade com um Cristo já ressuscitado. Nada pode alterar isso enquanto estivermos na Terra. Deveríamos olhar na face de um Cristo rejeitado para manter esta atitude de um estrangeiro em poder. E assim o fazemos, na medida em que Cristo tem mais valor para nós do que todas as nossas circunstâncias. É por falta disso que nos envolvemos com o mundo como o fazemos. Não aprendemos a lição que Moisés aprendeu – que o vitupério de Cristo era uma riqueza maior do que os tesouros do Egito.


Difícil, mas abençoado. Abraão sabia algo sobre isso em poder. Ele foi um estrangeiro até o fim. Ele poderia ter retornado à Mesopotâmia. Ele não havia esquecido a estrada, como observamos antes; e o respeito e a simpatia constantes de todos os seus vizinhos provaram que não havia inimigo que impedisse a viagem. Mas o chamado de Deus havia fixado seu coração, e ele olhava apenas para onde o chamado o dirigia. (O Senhor Jesus, nos dias de Sua carne, agiu como o Deus que, antigamente, havia chamado Abraão. Pois Ele colocou as reivindicações supremas de tal pessoa. “Quem ama o pai ou a mãe mais do que a Mim”, diz Ele “não é digno de Mim”. E novamente: “Segue-Me e deixa aos mortos sepultar os seus mortos”. Quem, senão Deus, pode intervir entre nós e tais relacionamentos, tais obrigações e serviços? Deveres e afeições como estes são mais do que sancionados pela natureza; eles são obrigatórios pela lei – a lei do próprio Deus. Mas o chamado de Deus é supremo, e Jesus o afirmou no dia de Sua humilhação aqui.)


Gostaria que a alma mantivesse essas coisas com mais poder! Na verdade, pouco sabe o coração sobre isso, se alguém puder falar pelos outros. Mas elas são reais – o fruto precioso da energia divina nos eleitos de Deus.


Casamento com Quetura 

Depois de tudo isso, encontramos outro assunto distinto na história de Abraão. Quero dizer, o casamento dele com Quetura e a família dele com ela.


Esta família de Quetura é, podemos certamente julgar, um mistério distinto. Isto é, Abraão está aqui apresentando uma nova característica da sabedoria divina, ou ilustrando outro segredo nos caminhos das dispensações divinas. Nestes filhos da segunda esposa temos (em figura) as nações milenares, as nações que povoarão a Terra nos dias do reino, os ramos da grande família de Deus naqueles dias, e filhos de Abraão. Eles podem estar distantes, nos confins da Terra; mas eles terão suas porções e serão reconhecidos como uma única extensa família milenar. “Alegrai-vos, gentios, com o Seu povo”, será dito a eles. Os confins da Terra serão então a herança de Cristo, tão certamente como a Igreja será glorificada n’Ele e com Ele nos céus, e o trono de Davi, e a herança de Israel será Sua quando estabelecida e revivida na Terra de Seus pais. Os filhos de Abraão estarão em todo o mundo.


Pois naquele dia de glória, o Rei de Israel será o Deus de toda a Terra. Cristo é o Pai da era eterna. Se Israel for honrado por Ele, todas as nações serão abençoadas n’Ele. Ele é “luz para alumiar as nações”, assim como Ele é “para glória de teu povo Israel”. Os filhos de Quetura, distribuídos em outras terras, revelam esse mistério. Eles ficarão atrás de Israel, é verdade; mas, no entanto, serão eleitos e amados. Como está escrito aqui: “Porém Abraão deu tudo o que tinha a Isaque. Mas, aos filhos das concubinas que Abraão tinha, deu Abraão presentes e, vivendo ele ainda, despediu-os do seu filho Isaque, ao Oriente, para a terra oriental”, conforme mostrado em Gênesis 25. (O mesmo mistério, não duvido, é apresentado no casamento de Moisés e a etíope, e também naquele de Salomão com a filha do Faraó. A segunda esposa de Moisés está, em dignidade, abaixo de sua Zípora, que brilha com glória peculiar no monte de Deus em Êxodo 18; e a filha do Faraó, embora plenamente reconhecida pelo rei em Jerusalém, não receberia um lugar na cidade de Davi.)


Abraão como uma figura 

Este é, creio eu, o significado místico desta nova família de Abraão; e esta parte estranha e maravilhosa é a que encerra sua história. Mas é outro testemunho do amplo e variado testemunho que Deus prestou sobre Seus próprios conselhos e segredos naquela história. E isso é muito notável. Às vezes, o Pai é visto em Abraão – como, em seu desejo de ter filhos – fazendo uma festa no desmame de Isaque – oferecendo seu filho – enviando em busca de uma esposa para seu filho; outras vezes, o Cristo é visto nele, como Aquele em Quem todas as famílias da terra serão abençoadas – como o Parente-Resgatador de Israel – como o Detentor da liderança das nações – o Pai da era milenar ou eterna – e então, em outras ocasiões, a Igreja, ou o povo celestial, é traçada ou refletida nesta história maravilhosa; e, outras vezes, estamos na Terra, ou com Israel.


Temos o Abençoado, a Quem todas as Suas obras são conhecidas desde o início do mundo, nos detalhes e nas variadas histórias desta vida de Abraão, mostrando assim partes de Seus caminhos. Nas alegorias de Sara e sua semente, de Agar e sua semente, de Quetura e sua semente, temos o mistério de Jerusalém, “a mãe de todos nós”, Israel em cativeiro como está agora com seus filhos, e a reunião das nações de todo o mundo, como ramos de uma família extensa e milenar. Mistério após mistério é assim atuado na vida de Abraão; e muitas e diversas partes da “multiforme sabedoria de Deus” nos são ensinadas.


Estou bastante consciente de que as figuras vivas ou pessoais podem ter sido tão inconscientes do que elas eram, sob a mão de Deus, quanto as figuras materiais. Agar, sem dúvida, era tão passiva quanto o ouro que cobria a mesa dos pães da proposição, ou como a água que enchia a pia de bronze. Mas a lição para nós não é afetada por isso. Tenho a glória real de Cristo na grandeza de Salomão e tenho as provisões profundamente preciosas de Sua graça na lâmina de ouro na testa de Arão; e não penso em indagar mais sobre o próprio Salomão nesse assunto do que sobre o ouro. O Adão adormecido me ensina sobre a morte do Cristo de Deus; o êxtase de Adão ao despertar e receber Eva, me ensina sobre a satisfação e gozo do mesmo Cristo de Deus, quando Ele verá o trabalho de Sua alma; mas não me pergunto se Adão sabia o que estava fazendo por mim. Posso aprender sobre o primeiro concerto com uma Agar inconsciente, assim como posso aprender sobre a purificação do sangue de Cristo vindo de um altar inconsciente. Assim, quanto ao nosso Abraão, ao ocupar seu lugar no meio de todos esses mistérios variados e maravilhosos, não pergunto curiosamente a medida de sua mente nessas coisas. A sabedoria de Deus pode dizer – o Cristo que esteve nos conselhos eternos pode dizer: “Eis-Me aqui, e os filhos que o SENHOR Me deu, para sinais e para maravilhas” (ARA); mas até que ponto Abraão poderia falar assim, em qualquer medida em que ele próprio estivesse no segredo que foi obrigado a proferir, ou se ele falou mistérios como em uma língua desconhecida, não precisamos perguntar. “Deus é Seu próprio Intérprete”.


A morte de Abraão 

Nosso patriarca encerrou agora suas atuações e seus exercícios. Temos agora que fechar seus olhos, como lemos em Gênesis 25:7-8: “Estes, pois, são os dias dos anos da vida de Abraão, que viveu cento e setenta e cinco anos. E Abraão expirou e morreu em boa velhice, velho e farto de dias; e foi congregado ao seu povo”.


Ele tinha, podemos dizer, visto a terra, mas não deveria ir até lá e possuí-la. Ele foi o Moisés de uma geração anterior; como ele, um homem celestial, um homem do deserto e não da herança – um homem da tenda – um filho da ressurreição. Ele foi reunido ao seu povo, antes que o Israel de Deus entrasse na terra de acordo com a promessa. Como no espelho do propósito de Deus, e pela luz da fé, ele vê a terra; mas ele não vai possuí-la. Ele morre como no Monte Pisga, no lado deserto do Jordão, destinado, com Enoque antes dele e com Moisés depois dele, a brilhar no topo da colina na glória celestial do Filho do Homem.


Fé no poder e na inteligência 

Encerramos agora a terceira seção do Livro do Gênesis; e, com ele, as cenas e circunstâncias da vida de Abraão.


No meio destes fragmentos, assim recolhidos e guardados para nós pelo Espírito Santo, vimos a fé obtendo as suas vitórias, conhecendo os seus direitos e pleiteando os seus títulos, praticando a sua generosidade, desfrutando da sua comunhão, abrindo mão e obtendo a sua consolações e promessas. Mas também vimos sua inteligência e aprendemos que ela anda na luz, ou de acordo com o julgamento, da mente de Cristo.


Há algo muito bonito numa visão como esta. Normalmente não testemunhamos esta bela combinação – a inteligência da fé e o poder moral da fé. Em alguns santos, existe o poder sincero e urgente da fé, que prossegue de maneira correta, verdadeira e honesta, mas com muitos erros quanto à sabedoria dispensacional de Deus. Em outros, há uma mente bem ensinada, dotada de muita habilidade sacerdotal e espiritual, para seguir a sabedoria de Deus em épocas e dispensações, mas com falta de poder em todo o serviço que uma fé mais simples e sincera estaria constantemente buscando. Mas em Abraão vemos estas coisas combinadas.


Em nossa caminhada com Deus, a luz do conhecimento de Sua mente deve ser vista, assim como nosso coração deve estar sempre aberto à Sua presença e gozo, e nossas consciências vivas às Suas reivindicações e à Sua vontade. A vida de fé é algo muito incompleto, se não conhecermos, como Abraão conhecia, os tempos apontados por Deus, quando lutar, por assim dizer, e quando ficar quieto; quando ficar em silêncio diante dos erros de um Abimeleque e quando se ressentir deles; quando erguer o altar de um peregrino estrangeiro e quando invocar o nome do Deus eterno. Em outras palavras, devemos saber o que o Senhor está fazendo, de acordo com Seu próprio propósito eterno, e o que Ele está conduzindo adiante para sua consumação, em Sua sabedoria variada e frutífera.


Tal é a natureza de toda obediência; pois a conduta do santo deve estar sempre de acordo com a sabedoria dispensada por Deus no tempo ou na era determinada.


Mas, deixe-me acrescentar, o ponto mais alto da dignidade moral de Abraão era este: ele era um estrangeiro na Terra.


Isto, posso dizer, supera tudo. Foi isso que fez com que Deus não se envergonhasse de ser chamado de seu Deus. Deus pode reconhecer moralmente a alma que deliberadamente recusa a cidadania neste mundo revoltado e corrompido.


Dignidade moral 

Este foi o ponto mais alto da dignidade moral de Abraão.


Deus ama o estrangeiro (Dt 10:18). Ele ama o pobre e estrangeiro sem amigos, com o amor da piedade e da graça, e provê a ele. Mas com o estrangeiro separado, que deu as costas a esta cena corrompida, Deus liga Seu nome e Sua honra, e os reconhece moralmente sem Se vergonhar (Hb 11:13-16).


Quão bem ele começou sua jornada desde o início! O Senhor e Suas promessas eram tudo o que ele tinha. Ele deixou, como vimos, seu lar natural para trás, mas não esperava encontrar outro lar no lugar para onde estava indo. Ele sabia que seria um estrangeiro e peregrino com Deus na Terra. A Mesopotâmia foi deixada, mas Canaã não foi tomada em seu lugar. Consequentemente, de todos os povos de lá, ele foi um homem separado durante todos os seus dias, ou durante sua peregrinação entre eles por cerca de cem anos. Canaã era o mundo para aquele homem celestial, e ele tinha tão pouco a ver ou dizer a ele quanto pudesse, embora o tempo todo estivesse nele. Quando as circunstâncias o exigiam, ou na medida em que os negócios o envolviam, ele lidava com isso. Ele negociaria com o povo da Terra, se necessário (com certeza o faria), mas sua empatia não estava com eles. Ele precisava de um local de sepultura e o comprou dos filhos de Hete. Ele não hesitaria em tratar com eles sobre uma questão necessária de negociação e venda; mas ele prefere comprar a receber. Ele relutava em ser devedor a eles ou em ser enriquecido por eles – nem eles eram seus companheiros. Isso nós observamos por toda parte. Se Aner, Escol e Mamre – isso pode ser moralmente atraído pelo que viram nele – buscarem uma confederação com ele, ele não recusará sua aliança em uma determinada ocasião de interesse comum, quando tal interesse o Deus que o chamou não o sancionaria ou recomendasse. Mas ainda assim os cananeus não eram sua companhia. Sua esposa era sua companhia, sua casa, seus rebanhos e suas manadas, e seu companheiro santo, Ló, filho de seu irmão, que havia saído da Mesopotâmia com ele – contanto, pelo menos, que tal pessoa andasse como um homem separado em Canaã. Mas mesmo Ló, quando indistinguível do povo da terra, é um estranho para ele tão completamente quanto os outros são.


Tudo isso certamente tem voz em nossos ouvidos. Os anjos às vezes eram a companhia de Abraão e, portanto, o Senhor dos anjos – e em todos os momentos, seu altar e sua tenda estavam com ele, e os mistérios ou verdades de Deus, conforme lhe eram revelados. Mas as pessoas da terra, os homens do mundo, não obtiveram os seus gostos ou empatias, nem partilharam a sua confiança. Ele estava entre eles, mas não era deles – e preferia que ele tivesse sua casa não edificada e Isaque ficasse sem esposa, do que essa esposa fosse uma filha de Canaã.


O valor de Cristo para nossa alma 

Para alguns de nós, amados, esta ruptura das coisas naturais é terrível. Mas se Jesus fosse mais amado, tudo isso seria mais facilmente considerado. Se Seu valor para nós dentro do véu fosse mais ponderado e estimado em nosso coração, deveríamos ir até Ele fora do arraial com passos mais firmes e seguros. “Aprendi”, disse um dos mártires, “que não há liberdade como a do coração que desistiu de tudo por Cristo – nenhuma sabedoria como a aprendida a Seus pés – nenhuma poesia como a calma previsão da glória que haverá.”


Sobre nosso Abraão e seus companheiros nesta vida de fé, confessando que eram estrangeiros e peregrinos na Terra, está escrito: “os que isso dizem claramente mostram que buscam uma pátria. E se, na verdade, se lembrassem daquela de onde haviam saído, teriam oportunidade de tornar (voltar – ARA). Mas, agora, desejam uma melhor, isto é, a celestial. Pelo que também Deus não Se envergonha deles, de Se chamar seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade”


Amados, somos chamados a ser esses estrangeiros – estrangeiros que Deus pode, portanto, reconhecer moralmente. Se o mundo não fosse o objetivo de Abraão, deveríamos sentir, mesmo sob sanções mais elevadas, que não pode ser nosso. O chamado do Deus da glória fez de Abraão um estrangeiro aqui – a cruz de Cristo, além disso, pode ainda mais nos tornar estrangeiros. Como às vezes cantamos,


“Diante de Sua cruz somos agora deixados,

 Como estrangeiros na terra.”

 

“Já estais mortos”, diz o apóstolo, “e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus”. Essa é a atitude de estrangeiro da mais alta ordem – a atitude de estrangeiro do próprio Filho de Deus. “O mundo não nos conhece, porque não conhece a Ele”.


Na força desta atitude de estrangeiro no mundo, que possamos ter graça para abster-nos “das concupiscências carnais, que combatem contra a alma”! E na força de nossa cidadania consciente no céu, que esperemos “o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o Seu corpo glorioso, segundo o Seu eficaz poder de sujeitar também a Si todas as coisas”.


J. G. Bellett

 


99 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page