01. A Verdade e o Erro

Atualizado: Mar 29

Baixe esta revista digital nos formatos:

EPUB - MOBI

ÍNDICE

A Verdade e o Erro

W. Kelly

Diversidade e Unidade

C. H. Mackintosh

A Verdade e o Espírito

Bible Herald

Tolerância

W. J. Prost

Heresia

G. V. Wigram

A Verdade é o Teste

F. B. Hole

As Escrituras

J. N. Darby

Sem Igualdade

J. N. Darby

Aceitando a Verdade sem Praticá-la

W. T. Turpin

A Verdade

Bible Treasury

A Verdade e o Erro

J. Timley

Relutância e Determinação

J. G. Deck (Poema)



A Verdade e o Erro


Cristo é a verdade em seu sentido completo. O Espírito Santo também é chamado de “verdade” (1 Jo 5:6), como sendo o poder interior daquele que crê para se apoderar da revelação de Deus e compreendê-la. Jesus é a verdade. Verdade é a expressão do que Deus é e do que o homem é. Aquele que é a Verdade de maneira objetiva deve ser tanto Deus quanto homem para poder tornar conhecida a verdade sobre eles. Ele não é apenas Deus, mas o Ser especial que fez Deus conhecido, e, sendo homem, pôde fazer com que o homem fosse conhecido também. Sim, sendo ambos, Ele pôde tornar tudo conhecido. Assim, nós jamais saberemos o que a vida é a não ser em Cristo, e jamais saberemos o que a morte é senão em Cristo. Novamente, quem jamais saberia o significado correto de julgamento senão em Cristo? Quem pode estimar o que a ira de Deus é senão em Cristo? Quem pode dizer o que é comunhão com Deus senão em Cristo? É Cristo quem nos mostra o que o mundo é, também é Cristo que nos mostra o que o céu é e em contraste o que o inferno será. Alguns filósofos antigos diziam, mesmo que falsamente, que o homem é a medida para todas as coisas. Isto é certamente verdade em Cristo, o Deus-homem.

W. Kelly (adaptado)

Voltar ao Índice


Diversidade e Unidade


É de grande instrução para nós notar a variedade de linhas da verdade que são apresentadas no Novo Testamento, todas encontrando seu centro comum naqu’Ele Bendito que é a verdade. Podemos ver isso tanto nos evangelhos quanto nas epístolas. Cada um dos quatro evangelistas, sob a direção imediata do poder do Espírito Santo, nos dá uma visão distinta de Cristo. Cada um traz sua linha específica, nenhuma se contradiz, mas todas se confirmam. Existe diversidade e unidade. Mateus não se opõe a Marcos, nem Marcos a Lucas, ou Lucas a João. Não existe conflito, porque cada um se move em sua própria órbita, e todas em torno de um único grande centro.


Isso também acontece nas epístolas. A linha da verdade apresentada por Paulo é distinta da de Pedro, a de Pedro da de João, ou a de João da linha de Tiago. Não há conflito, assim como os quatro evangelistas. As órbitas são distintas, porém o centro é único.


Um Espírito – Vários instrumentos

Seria loucura de nossa parte fazer qualquer comparação entre essas variadas linhas da verdade ou dos instrumentos pelos quais essas linhas nos são apresentadas. Isso devemos denunciar imediatamente como sendo uma loucura pecaminosa e que não deve ser tolerada nem sequer por um momento. A variedade de instrumentos são todas empregadas pelo único e mesmo Espírito inspirador para o grande objetivo de apresentar a variedade da glória moral de Cristo. Cada um é necessário em seu devido lugar. Nós estaríamos causando sérios danos a nossa alma, bem como arruinando a integridade da revelação divina, se nos confinássemos a qualquer linha da verdade, ou nos prendêssemos exclusivamente a qualquer instrumento em particular.


Os Coríntios caíram nesse grande erro e por isso receberam uma repreensão severa vinda do bendito apóstolo Paulo. Alguns eram de Paulo, alguns de Apolo, alguns de Cefas e alguns de Cristo. Todos estavam errados, e aqueles que disseram que eram de Cristo eram tão errados quanto qualquer um dos outros. Eles eram carnais e andavam segundo os homens. Era uma grande tolice se ensoberbecer um contra o outro, na medida em que todos eram servos de Cristo, e todos pertenciam a uma única Igreja.

Não é diferente do que acontece hoje na Igreja de Deus. Existem vários tipos de trabalhadores e várias linhas da verdade, e é nosso privilégio e dever os reconhecer e nos regozijarmos em todos eles. “Porque tudo é vosso: seja Paulo, seja Apolo, seja Cefas, seja o mundo, seja a vida, seja a morte, seja o presente, seja o futuro, tudo é vosso, e vós, de Cristo, e Cristo, de Deus” (1 Co 3:21-23). Essa é a maneira verdadeira e divina de se olhar esta questão. Também é a maneira de se evitar seitas, partidos e grupos exclusivistas na Igreja de Deus. Há um só corpo, uma Cabeça, um Espírito, uma revelação perfeita e divina, as Santas Escrituras. Existem muitos membros, muitos dons, muitas linhas da verdade, muitas características distintas do ministério. Precisamos de todos eles, e sendo assim Deus nos proveu de todos eles.


Toda a verdade

Qual será o efeito de nos dedicarmos a apenas uma linha da verdade, ou uma característica do ministério em particular? Isso somente produzirá um caráter Cristão imperfeito. É triste dizer que nós somos propensos a nos dedicarmos a apenas um lado, e nada trabalha mais a favor deste mal do que nos ligarmos de maneira desordenada a um ramo particular da verdade e excluirmos os demais ramos que são igualmente importantes. É pela verdade que somos santificados, e não por alguma verdade.

Aqui encontramos o grande princípio. Deus tem vários instrumentos para Sua obra, e deveríamos valorizar a todos eles como sendo Seus instrumentos e nada além disso. Tem sido sempre o objetivo de Satanás levar o povo do Senhor a estabelecer cátedras, líderes de partidos, e centros de divisões para espalhar a Igreja de Deus em seitas e destruir sua unidade visível. Que não sejamos ignorantes quanto às suas artimanhas, mas que de todas as maneiras possíveis, esforcemo-nos para “guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz” (Ef 4:3).


Perto do centro

Como este grande objetivo deve ser alcançado? Por nos mantermos perto do centro, por permanecer em Cristo, pela ocupação habitual com Ele, por beber das profundezas do Seu Espírito e andar nas suas pisaduras, por sentar junto a seus pés, em verdadeiro quebrantamento de espírito e humildade de pensamento, pela completa consagração ao Seu serviço, pelo apoio a Sua causa e promoção de Sua glória, pela prosperidade e bênção de cada membro amado de Seu corpo.


Assim seremos guardados de conflitos e disputas, da discussão sobre questões sem proveito e teorias sem embasamento, da parcialidade e de preconceitos. Seremos capazes de ver e apreciar todas as linhas da verdade convergindo em um único Centro divino, os raios variados da verdade emanando da única Fonte eterna. Nos regozijaremos no grande fato de que em todos os caminhos e obras de Deus, em todas as partes da natureza e da graça, nas coisas da Terra e nas do céu, no tempo e na eternidade, não existe uma uniformidade maçante, mas uma prazerosa variedade. Resumindo, o princípio eterno e universal de Deus é “diversidade e unidade”.

C. H. Mackintosh (adaptado)

Voltar ao Índice


A Verdade e o Espírito


“Às vezes penso que estamos experimentando um pouco do que provavelmente foi sentido por alguns no final da era apostólica, a saber, que após toda a verdade ter sido ensinada, ela era pouco compreendida e poderia, como verdadeiramente foi, rapidamente renunciada e perdida”. Essa porção, que foi extraída de uma carta de um irmão (há muitos anos), é uma triste realidade. A facilidade e rapidez na qual a mais importante verdade foi abandonada é impressionante. A obra do Espírito é tão refinada em sua natureza e acabamento que pode ser facilmente estragada se for posta a mão humana nela. A corrupção das melhores coisas é a pior corrupção.


Progresso espiritual

Receber e manter a verdade no Espírito será sempre associado com o progresso na espiritualidade e com a excelência da prática moral. O afrouxamento da verdade tende à morte espiritual e à co