top of page

Glória Moral do Senhor Jesus Cristo - Parte 2/3

Baixe esta parte do livro digital nos formatos:

Baixe o livro completo do livro digital nos formatos:

 

Uma Breve Meditação Sobre a Glória Moral do Senhor Jesus Cristo

John Gifford Bellett

 

Parte 2


Mas novamente, O Senhor não julgou as pessoas em relação a Si mesmo – uma falha comum a todos nós. Naturalmente julgamos os outros de acordo com a maneira como eles nos tratam e o nosso interesse por eles é conforme a medida de seu caráter e valor. Mas o Senhor não era assim. Deus é um Deus de conhecimento e por Ele as ações são pesadas. Ele entende cada ação completamente. Em todo o seu significado moral Ele as entende e de acordo com isso Ele as avalia. E, repetidas vezes, vemos nosso Senhor Jesus Cristo como imagem do Deus do conhecimento, nos dias de Seu ministério aqui. Posso me referir a Lucas 11. Havia um ar de cortesia e bom sentimento em relação a Ele no fariseu que O convidou para jantar. Mas o Senhor era “o Deus do conhecimento” e, como Tal, avaliou esta ação em todo o seu caráter moral.

 

O mel da cortesia, que é o melhor ingrediente da vida social neste mundo, não deve perverter a Sua apreciação ou julgamento. Ele aprovou coisas que são excelentes. A cortesia que O convidou para jantar não iria determinar o julgamento d’Aquele que carregava os pesos e medidas do santuário de Deus. É o Deus do conhecimento que esta cortesia tem que enfrentar nesta ocasião, ela não se sustenta, não servirá. Ó, como o observar isso pode nos repreender. O convite escondia uma intenção. Assim que o Senhor entrou na casa, o anfitrião age como fariseu, e não como anfitrião. Ele fica surpreso por seu Convidado não ter Se lavado antes do jantar. E o caráter que ele assim assume no início mostra-se com força total no final. E o Senhor trata toda a cena adequadamente; pois Ele pesou o fariseu como o Deus do conhecimento. Alguns podem dizer que a cortesia que recebeu poderia tê-Lo mantido em silêncio. Mas Ele não podia olhar para este homem simplesmente em relação a Si mesmo. Ele não deveria ser lisonjeado por um julgamento justo. Ele expõe e repreende, e o final da cena O justifica. “E, dizendo-lhes Ele isso, começaram os escribas e os fariseus a apertá-Lo fortemente e a fazê-Lo falar acerca de muitas coisas, armando-Lhe ciladas, a fim de apanharem da Sua boca alguma coisa para O acusarem” (Lc 11:53-54).

 

Muito diferente, porém, foi o Seu caminho na casa de outro fariseu, que da mesma maneira O convidou para jantar (veja Lucas 7). Pois Simão não tinha nenhum propósito oculto no convite. Muito diferente. Ele também parecia agir como fariseu, acusando silenciosamente a pobre pecadora da cidade e Seu Convidado por admitir a aproximação dela. Mas as aparências não são a base de julgamentos justos. Frequentemente, as mesmas palavras, em lábios diferentes, têm uma intenção muito diferente. E, portanto, o Senhor, o Pesador Chefe perfeito segundo Deus, embora pôde repreender Simão e expô-lo a si mesmo, conhece-o pelo nome e sai de sua casa como um convidado deveria sair dela. Ele distingue o fariseu de Lucas 7 do fariseu de Lucas 11, embora tenha jantado com os dois. Assim, podemos olhar para o Senhor com Pedro em Mateus 16. Pedro expressa apego afetuoso e atencioso ao seu Mestre: “Senhor, tem compaixão de Ti; de modo nenhum Te acontecerá isso”. Mas Jesus julgou as palavras de Pedro apenas no seu contexto moral. Na verdade, achamos difícil fazer isso quando nos sentimos pessoalmente gratificados. “Para trás de Mim, Satanás”, não era a resposta que uma natureza meramente amigável teria sugerido a tais palavras. Mas, novamente, digo, nosso Senhor não ouviu as palavras de Pedro simplesmente porque elas expressavam bondade pessoal e boa vontade para Consigo mesmo. Ele as julgou, pesou-as, como na presença de Deus, e imediatamente descobriu que o inimigo as havia movido; pois aquele que pode transformar-se num anjo de luz está muitas vezes oculto em palavras de cortesia e bondade. E da mesma forma o Senhor tratou com Tomé em João 20. Tomé tinha acabado de adorá-Lo, dizendo: “Senhor meu e Deus meu”. Mas Jesus não deveria ser tirado da alta elevação moral que Ele ocupava, e de onde Ele ouvia e via tudo, mesmo por palavras como essas. Eram palavras genuínas, palavras de uma mente que, iluminada por Deus, se arrependeu diante do Salvador ressuscitado e, em vez de ainda duvidar, adorou. Mas Tomé havia resistido o mais que pôde. Ele havia se excedido. Todos eles foram incrédulos quanto à ressurreição, mas ele insistiu que ainda permaneceria incrédulo até que os sentidos e a visão viessem libertá-lo. Tudo isto tinha sido a sua condição moral; e Jesus tem isso diante de Si e coloca Tomé em seu devido lugar moral, como havia colocado Pedro. “Porque Me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram!” Nosso coração, em casos como esses, teria sido pego de surpresa. Ele não poderia ter se mantido firme diante desses ataques, que a boa vontade de Pedro e a adoração de Tomé teriam feito sobre ele. Mas o nosso Mestre perfeito defendia Deus e a Sua verdade, e não a Si mesmo. A arca antiga não deveria ser lisonjeada. Israel pode honrá-la e trazê-la para a batalha, dizendo-lhe, por assim dizer, que agora em sua presença tudo deve estar bem com eles. Mas isso não servirá para o Deus de Israel. Israel cai diante dos filisteus, embora a arca esteja assim na batalha; e Pedro e Tomé serão repreendidos, embora Jesus, ainda o Deus de Israel, seja honrado por eles.

 

Os anjos se regozijam diante do arrependimento dos pecadores. “há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende”. É um gozo ter este segredo do céu revelado para nós e ler uma ilustração após a outra, como temos em Lucas 15.

 

Mas há algo além disso. O gozo ali, embora no céu, é público. Ele se expressa e tem companhia. É muito apropriado que assim seja; é muito apropriado que toda a casa compartilhe isso e considere isso um regozijo comum. Mas há algo além disso. Existe o gozo do seio Divino, assim como esse gozo do céu. João 4:27-32 nos dá isso, assim como Lucas 15 nos dá o gozo público no céu. E esse gozo do seio Divino, não preciso dizer, é a coisa mais profunda. É completo, silencioso e pessoal. Ele não pede para ser elevado ou sustentado por outros. “Uma comida tenho para comer, que vós não conheceis”, é a linguagem do coração de Cristo, enquanto saboreava esse gozo. A glória estava enchendo a casa, de modo que os ministros da casa precisavam se afastar por algum tempo. O Pastor acabara de trazer para casa a ovelha desgarrada do rebanho, colocando-a sobre Seus ombros, regozijando-Se, e até então, o regozijo era apenas Seu. A família não foi chamada para se regozijar com Ele, quando a mulher O deixou como uma pecadora salva e feliz. Os discípulos sentiram o caráter do momento. Eles não iriam invadi-lo. A gordura reservada para o altar, a porção mais rica da festa, “o alimento de Deus”, foi espalhado, e os discípulos ficaram em silêncio e se afastaram. Este foi um momento maravilhoso – houve poucos como este. O profundo e inexprimível gozo e do seio Divino é conhecido aqui, enquanto o extasiado gozo público do céu é conhecido em Lucas 15.

 

Mas Aquele que pôde ser assim saciado às vezes ficava cansado, com fome e com sede. Isto é visto em João 4; como novamente em Marcos 4. Mas há esta diferença nos dois casos: Ele encontra o sono para Seu alívio e restauração em Marcos 4. Ele não necessita do sono em João 4. E por que é assim? Em Marcos 4, Ele passou por um dia de trabalho árduo e à noite Ele estava cansado, como na natureza estará alguém após o trabalho: “o homem para a sua lida e para o seu trabalho, até à tarde” (Sl 104). O sono é então fornecido a Ele, para restaurá-Lo ao Seu serviço quando a manhã retornar. Jesus provou tudo isso. Ele estava dormindo na almofada no barco. Em João 4 Ele está cansado novamente, com fome e sede também. Ele está assentado junto ao poço, como um viajante cansado, esperando até que os discípulos cheguem da aldeia vizinha com comida. Mas quando eles chegam, eles O encontram saciado e descansado, e isso também sem comida, bebida ou sono. Seu cansaço teve outro refrigério além do que o sono Lhe teria trazido. Ele ficou feliz com os frutos de Seu trabalho na alma de uma pobre pecadora. A mulher havia sido despedida na liberdade da salvação de Deus. Mas não havia nenhuma mulher samaritana em Marcos 4, e Ele tem, portanto, que usar a almofada em Seu cansaço.

 

Mas quão verdadeiro tudo isto é para as sensibilidades da nossa humanidade comum! Todos nós entendemos isso. O coração do Senhor estava alegre, como posso dizer, em João 4; mas não havia nada que o alegrasse em Marcos 4. E somos ensinados a saber (e nossa experiência confirma que a palavra é verdadeira) “O coração alegre serve de bom remédio, mas o espírito abatido virá a secar os ossos”. (Pv 17:22). Assim, o Mestre podia dizer num caso: “Uma comida tenho para comer, que vós não conheceis”, enquanto no outro Ele usará a almofada que o cuidado com Seu cansaço Lhe proporcionou.

 

Quão perfeita era a humanidade que o Filho havia assumido em todas as suas empatias! Certamente, de fato, era a humanidade comum, separada do pecado.

 

“Tocado por simpatia interior,

 Ele conhece nossa estrutura frágil.”

 

Mas novamente, há uma tentação, em tempos de confusão, de considerar tudo como sem esperança e perdido; e dizer que é interminável e desnecessário continuar a distinguir. Tudo está em desordem e apostasia; por que então tentar distinguir?

 

Mas este não era o Senhor. Ele estava na confusão, mas não fazia parte dela, assim como Ele estava no mundo, mas não era do mundo, como dissemos antes a Seu respeito. Ele conheceu todos os tipos de pessoas, em todos os tipos de condições, “um montão, dois montões”, onde todos deveriam estar compactos; mas Ele manteve Seu caminho equilibrado, estreito, imaculado e sem distrações durante tudo isso. As pretensões do fariseu, o mundanismo do herodiano, a filosofia do saduceu, a inconstância da multidão, as tentativas dos adversários e a ignorância e fraquezas dos discípulos, eram materiais morais que Ele tinha que enfrentar e responder todos os dias.

 

E então a condição das coisas, bem como o caráter das pessoas, O exercitaram; a moeda de César circulando nas terras de Emanuel; paredes divisórias quase em ruínas; Judeus e gentios, limpos e impuros, confundidos, exceto porque a arrogância religiosa ainda pode retê-los à maneira deles. Mas Sua única regra de ouro expressava a perfeição de Sua passagem por todos: “Dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”. O remanescente no dia do cativeiro, como um dia de confusão, comportou-se de maneira bela, distinguindo as coisas que eram diferentes, e não descartando tudo desesperadamente. Daniel aconselharia o rei, mas não comeria sua carne: Neemias serviria no palácio, mas não permitiria os moabitas ou os amonitas na casa do Senhor: Mardoqueu guardaria a vida do rei, mas não se curvaria aos amalequitas: Esdras e Zorobabel aceitariam favores dos persas, mas não a ajuda dos samaritanos, nem casamentos com os gentios: e os cativos orariam pela paz da Babilônia, mas não cantariam ali os cânticos de Sião. Tudo isso era belo; e o Senhor, em Seus dias, foi perfeito neste remanescente – caráter. E tudo isso tem voz para nós; pois o nosso é um dia, em seu caráter de confusão, não inferior aos dias dos cativos ou de Jesus. E nós, como eles, não devemos agir de acordo com a desesperança da cena, mas ainda saber como dar a César as coisas que são de César, e a Deus as coisas que são de Deus.

 

Toda a Sua beleza moral se torna um padrão para nós. Mas então O vemos Se posicionando no tratamento de Deus com o mal também, e esse é um lugar que, é claro, nunca poderíamos preencher. Ele tocou no leproso e no esquife, e ainda assim Ele permaneceu imaculado. Ele tinha o tratamento de Deus com relação ao pecado. Ele conhecia o bem e o mal, mas estava na supremacia divina sobre o mal; conhecendo as coisas como Deus as conhece. Se Ele fosse diferente do que era, esses toques no esquife e no leproso[1] o teriam contaminado, e Ele deveria ter sido colocado fora do arraial e passado pela purificação prescrita pela lei. Mas nada disso vemos n’Ele. Ele não era um Judeu impuro; Ele não era apenas imaculado, Ele era imaculável; e, no entanto, tal era o mistério de Sua Pessoa, tal a perfeição da Humanidade em companhia com a Divindade n’Ele, que a tentação era tão real n’Ele quanto a incorrupção.

[1] Sua morte, posso aproveitar aqui para dizer, foi o aperfeiçoamento de Sua glória moral, da qual falo (Filipenses 2). Claro, sei que também foi muito mais do que isso. Mas, entre outras coisas, foi isso.


Mas fazemos uma pausa. Nosso lugar em relação a grande parte desta verdade necessária, embora misteriosa e profundamente preciosa, é recebê-la e adorá-la, em vez de discuti-la e analisá-la. É feliz, porém, para o próprio espírito de alguns, notar os anseios de algumas almas simples, que lhes dão a impressão de que é Ele mesmo que está diante delas. Muitas vezes lidamos com verdades de tal maneira que, no final, deixa conosco uma convicção repreensiva de que não alcançamos a Ele mesmo, embora tão ocupados. Descobrimos que estávamos vagando em devaneios.

 

O Senhor era “pobre, mas enriquecendo a muitos” – “nada tendo, mas possuindo tudo”. Condições maravilhosas foram manifestadas n’Ele, de maneira que eram e devem ter sido peculiares – totalmente Suas. Ele receberia o ministério de algumas mulheres piedosas vindo dos bens que elas possuíam, e ainda assim ministraria às necessidades de todos ao Seu redor com os tesouros da plenitude da Terra. Ele alimentava milhares de pessoas em lugares desertos e, ainda assim, estava faminto, esperando o retorno de Seus discípulos com alimentos de uma aldeia vizinha. Isto é “nada tendo, mas possuindo tudo”. Mas embora assim tão pobre, tanto necessitado como exposto, nada que tenha a menor indicação de fragilidade é visto associado à Sua condição. Ele nunca implora, embora não tenha um centavo; pois quando Ele queria ver um (para não usá-lo para Si mesmo), Ele tinha que pedir para que o mostrassem. Ele nunca foge, embora exposto, e Sua vida está em perigo, enquanto falamos, no lugar onde estava. Ele Se retira ou passa escondido. E assim, mais uma vez, posso dizer, nada de fraqueza, nada impróprio de plena dignidade pessoal é atribuído a Ele, embora a pobreza e a exposição fossem sua porção cada dia.

 

Abençoado e belo! Quem poderia preservar sob nossos olhos tal Objeto, tão perfeito, tão imaculado, tão primorosamente, delicadamente puro, em todos os mínimos e mais comuns detalhes da vida humana! Paulo não nos dá isso. Ninguém poderia nos dar isso, exceto Jesus, o Deus-Homem. As peculiaridades de Suas virtudes em meio à rotina de suas circunstâncias nos falam de Sua Pessoa. Deve ser uma Pessoa peculiar, deve ser o Homem Divino, se assim posso expressá-Lo, que poderia nos dar tais peculiaridades em condições tão comuns. Paulo não nos dá nada parecido, repito. Havia grande dignidade e elevação moral a respeito de Paulo, eu sei. Se alguém pudesse ser recebido como tendo exibido essas coisas, concordemos que foi Paulo. Mas o seu caminho não é o de Jesus; ele corre perigo de vida e usa seu sobrinho para protegê-lo. Mais uma vez, seus amigos o fizeram descer pelo muro da cidade em um cesto. Não digo que ele implore ou peça, mas ele reconhece o dinheiro que lhe foi enviado. Não posso explicar como Paulo se declarou ser fariseu em meio da assembleia mista, para se proteger; ou como ele falou mal do Sumo Sacerdote que o estava julgando. Tal conduta era moralmente errada; e estou falando aqui apenas de casos, embora não moralmente errados, que estavam abaixo da plena dignidade pessoal e moral que marca o caminho de Cristo. Nem a fuga para o Egito, como é chamada, é uma exceção nesta característica do Senhor; pois essa viagem foi feita para cumprir a profecia e sob a autoridade de um oráculo divino.

 

Mas tudo isso não é apenas uma glória moral, mas é um milagre moral – é maravilhoso como a caneta segurada por uma mão humana poderia ter delineado tais belezas. Devemos explicar isso, como foi observado antes e por outros, apenas por ser uma verdade, uma realidade viva. Estamos confinados a essa bendita necessidade. Ainda mais adiante, à medida que prosseguimos com esta bendita verdade, está escrito: “A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal para que saibais como vos convém responder a cada um”. Nossas palavras devem provar ser assim, sempre com graça, ministrando o bem aos outros, “para que dê graça aos que a ouvem”. Isto, no entanto, muitas vezes ocorrerá no ferimento da admoestação ou repreensão; e às vezes com decisão ou severidade, até mesmo com indignação e zelo; e assim elas serão “temperadas com sal”, como fala a Escritura. E tendo estas excelentes qualidades, sendo graciosas e ainda assim salgadas, elas darão testemunho de que sabemos como responder a cada homem.

 

Entre todas as outras formas disso, o Senhor Jesus ilustrou esta forma de perfeição moral. Ele sabia como responder a cada homem, com palavras que sempre eram benéficas para sua alma, quer os homens ouvissem ou deixassem de ouvir; mas às vezes temperada, ou melhor, altamente temperada com sal.

 

Assim, ao responder às perguntas, Ele não pretendia tanto satisfazê-los, mas sim atingir a consciência ou a condição do inquiridor.

 

Em Seu silêncio, ou em Sua completa recusa em responder, quando Ele Se apresentou diante do judeu ou do gentio no final, diante dos sacerdotes, ou de Pilatos, ou de Herodes, podemos traçar a mesma adequação perfeita que fazemos em Suas palavras ou respostas, testemunhando a Deus que pelo menos Um entre os filhos dos homens conhecia “tempo de estar calado e tempo de falar”.

 

Grande variedade em seu próprio tom e maneira também se apresenta em tudo isso; e toda essa variedade, por menor ou maior que fosse, fazia parte dessa fragrância diante de Deus. Às vezes Sua palavra era gentil, às vezes decisiva; às vezes Ele argumenta; às vezes Ele repreende imediatamente; e às vezes conduz um raciocínio calmo até o ponto acalorado da condenação solene; pois é a moral da ocasião que Ele sempre avalia.

 

Mateus 15 chamou-me a atenção como um capítulo no qual essa perfeição, em muitas de suas diversas belezas e excelências, pode ser vista. No decorrer dele, o Senhor é chamado a responder aos fariseus, à multidão, à pobre estrangeira afligida das partes de Tiro e aos Seus próprios discípulos, repetidas vezes, em diferentes exposições de falta de discernimento ou de egoísmo deles; e podemos notar Seu estilo diferenciado de repreensão e de argumentação, de ensino calmo e paciente e de treinamento fiel, sábio e gracioso da alma: e não podemos deixar de sentir como toda essa variedade era adequada ao lugar ou ocasião que a exigia. E tal era a beleza e a adequação de Ele não ensinar nem aprender, em Lucas, mas apenas ouvir e perguntar. Ter ensinado a eles no momento não seria oportuno, uma Criança como era no meio dos mais velhos. Ter aprendido não teria sido em plena fidelidade à luz, à luz eminente e brilhante, que Ele sabia que carregava em Si mesmo; pois podemos certamente dizer d’Ele: era “mais prudente do que os velhos” e tinha “mais entendimento do que todos os Meus (Seus) mestres”. Não me refiro como Deus, mas como Alguém “cheio de sabedoria”, como foi dito d’Ele então. Mas Ele soube na perfeição da graça usar esta plenitude de sabedoria, e Ele não nos é, portanto, apresentado pelo evangelista no meio dos doutores no templo, aos doze anos, nem ensinando, nem aprendendo; mas é simplesmente dito d’Ele que estava ouvindo e perguntando. Ele Se “fortalecia em espírito”, “cheio de sabedoria” e “a graça de Deus estava sobre Ele”, é a descrição d’Ele então, à medida que crescia em tenra idade; e quando Homem, conversando no mundo, Sua fala era sempre com graça, temperada com sal, como de Quem sabia responder a cada homem. Que perfeição e beleza adequadas às diferentes épocas da infância e da idade adulta!

 

E mais adiante, nós O encontramos, também em diversas outras condições. Às vezes Ele é menosprezado e desprezado, observado e odiado pelos adversários, retirando-Se, por assim dizer, para salvar a vida das tentativas e propósitos deles. Às vezes Ele é fraco, seguido apenas pelos mais pobres do povo; cansado também, faminto e sedento, devedor do serviço de algumas mulheres amorosas, que se sentiam devendo tudo a Ele. Às vezes Ele Se compadece da multidão com toda a gentileza, ou acompanha Seus discípulos em suas refeições ou em suas viagens, conversando com eles como um homem faria com seus amigos. Às vezes Ele está em força e honra diante de nós, fazendo milagres, deixando escapar alguns raios de glória; e embora em Sua Pessoa e circunstâncias Ele era nada e um ninguém no mundo, um filho de carpinteiro, sem aprendizado ou fortuna, ainda causando maior agitação entre os homens, e isso, também, às vezes nos pensamentos dos governantes da Terra, do que qualquer homem já causou.

 

A infância, a idade adulta e a vida humana em todas as suas variedades, assim Ele nos revela. Gostaria que o coração pudesse contê-Lo! Há uma perfeição em algumas das minuciosas características que falam da mão Divina que as estava delineando. Que trabalho inadequado teria sido feito por qualquer escritor descuidado e não guiado pelo Espírito, de certas ocasiões em que esses traços e toques são vistos. Como quando o Senhor quis comentar sobre o dinheiro corrente da terra, e pediu que o mostrassem a Ele e não o encontrou Consigo mesmo. Na verdade, podemos ter certeza de que Ele não carregava nenhuma moeda. Assim, as belezas morais da ação fluíram da perfeição moral de Sua condição interior.

 

Ele pediu aos Seus discípulos, na hora do Getsêmani, que vigiassem com Ele; mas Ele não pediu que orassem por Ele. Ele buscava empatia. Ele a valorizava nos momentos de fraqueza e pressão, e então queria que o coração de Seus companheiros estivesse ligado a Ele. Tal desejo era da glória moral que formava a perfeição humana que havia n’Ele; mas embora Ele sentisse e fizesse isso, não poderia pedir-lhes que fossem à presença divina em Sua causa. Ele queria que eles se entregassem a Si, mas não poderia fazer com que eles se entregassem a Deus em Sua causa. Assim, Ele pediu-lhes novamente, digo, que vigiassem com Ele, mas não pediu que orassem por Ele. Quando, pouco ou imediatamente depois, Ele uniu a oração e a vigília, foi a respeito deles e para eles que Ele falou, dizendo: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação”. Paulo poderia dizer aos seus companheiros santos: “Orai por nós, porque confiamos que temos boa consciência”. Mas essa não era a linguagem de Jesus. Não preciso dizer que não poderia ter sido essa; mas a caneta que escreve para nós tal vida e delineia para nós tal caráter é empunhada pelo Espírito de Deus. Ninguém menos que o Espírito poderia escrever assim.

 

Ele fez o bem e emprestou, sem nada esperar em troca. Ele deu, e Sua mão esquerda não sabia o que Sua mão direita estava fazendo. Nunca, em um único caso, como creio, Ele reivindicou a pessoa ou o serviço daqueles a quem Ele restaurou e libertou. Ele nunca fez da libertação que realizou um título a algum serviço. Jesus amou, curou e salvou, sem procurar nada em troca. Ele não permitiria que a Legião – o gadareno – estivesse com ele. A criança ao pé do monte Ele devolveu ao pai. A filha de Jairo Ele deixou no seio de sua família. O filho da viúva de Naim Ele devolve à sua mãe. Ele não reivindica nenhum deles. Será que Cristo dá para que possa receber novamente? Será que Ele (o Mestre perfeito!) não ilustra Seu próprio princípio – “fazei o bem, e emprestai, sem nada esperardes”? A natureza da graça é transmitir a outros, não enriquecer a si mesma: e Ele veio, para que n’Ele e em Seus caminhos ela pudesse brilhar em todas as riquezas e glórias excedentes que pertencem a ela. Ele encontrou servos neste mundo; mas Ele não os curou primeiro e depois os reivindicou. Ele os chamou e os dotou. Eles são o fruto da energia do Seu Espírito e das afeições acendidas nos corações constrangidos pelo Seu amor. E, enviando-os, disse-lhes: “de graça recebestes, de graça dai”. Certamente há algo além da concepção humana no delineamento de tal caráter. Repete-se esse pensamento vez após outra. E é muito feliz acrescentar que é nas formas mais simples que esta glória moral do Senhor por vezes brilha – formas que são ao mesmo tempo inteligíveis para todas as percepções e empatias do coração. Assim, Ele nunca recusou a fé mais débil, embora aceitasse e respondesse, e também com deleite, às abordagens e exigências dos mais ousados.

 

A forte fé que Se apoderou d’Ele sem cerimônia ou desculpas, com plena e imediata segurança, foi sempre bem-vinda para Ele; enquanto a alma tímida, que se aproximava d’Ele como alguém que se envergonhava e se desculpava, era encorajada e abençoada. Seus lábios imediatamente afastaram do coração do pobre leproso a única coisa que pairava sobre aquele coração como uma nuvem. “Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo”, disse Ele. "Quero; sê limpo”, disse Jesus. Mas imediatamente depois os mesmos lábios expressaram a plenitude do coração, quando a fé clara e inquestionável do centurião gentio foi testemunhada, e quando a fé ousada e sincera de uma família em Israel descobriu o telhado da casa onde Ele estava, para que eles pudessem descer o seu doente diante d’Ele.

 

Quando uma fé fraca apelou ao Senhor, Ele concedeu a bênção que ela buscava, mas repreendeu aquele que a buscava. Mas mesmo esta repreensão esta repleta de consolo para nós; pois parece dizer: “Por que você não fez um uso mais livre, mais completo e mais feliz de Mim?” Será que valorizamos o Doador, como valorizamos a dádiva – o coração de Cristo, bem como a Sua mão? Esta repreensão à fé fraca seria tão bem-vinda quanto a resposta a ela.

 

E se a pouca fé for assim reprovada, a fé forte deve ser grata. E, portanto, temos motivos para saber que bela visão estava sob os olhos do Senhor, quando, nesse caso já mencionado, descobriram o telhado da casa para alcançá-Lo. Foi de fato, tenho certeza, um grande espetáculo para os olhos do divino e generoso Jesus. Seu coração foi invadido por essa ação, tão certamente como a casa em Cafarnaum foi invadida por ela.

 

Vemos glórias e humildades em nosso Redentor: realmente vemos; pois precisamos de cada uma.

 

Aquele que estava assentado junto ao poço em Sicar é Aquele que agora está assentado nas alturas do céu. Aquele que subiu é Aquele que desceu. Dignidades e condescendências estão com Ele; – assentado à direita de Deus, e ainda assim abaixando-Se para lavar os pés de Seus santos aqui. Que combinação! Nenhuma redução de Suas honras, embora Se adaptando à nossa pobreza: nada faltando que possa nos servir, embora glorioso, imaculado e completo em Si mesmo.

 

O egoísmo se cansa com a transgressão e a importunação. “ainda que se não levante a dar-lhos por ser seu amigo, levantar-se-á, todavia, por causa da sua importunação e lhe dará tudo o que houver mister”. Assim acontece com o homem, ou com o egoísmo; é diferente com Deus ou com o amor; pois Deus, em Isaías 7, é a contradição do homem em Lucas 11.

 

É a incredulidade, que não recorreria a Ele, que Se recusou a pedir uma bênção, e obtê-la com um selo e um testemunho, que cansou a Deus – não a importunação, mas, como posso dizer, a ausência dela. E toda essa bem-aventurança e excelência divina, que é assim vista no Jeová da casa de Davi em Isaías 7, reaparece no Senhor Jesus Cristo dos evangelistas, e em Seu trato diferente com a fé fraca e a fé plena.

 

Todas essas coisas que podemos descobrir revelam Suas perfeições; mas quão pequena parte delas alcançamos!

 

Estamos cientes de quantas maneiras diferentes nossos companheiros discípulos nos põem à prova e nos tentam, como, sem dúvida, nós o fazemos com eles. Vemos, ou imaginamos ver, alguma qualidade ruim neles, e achamos difícil continuar em companhia deles. E, no entanto, em tudo isto, ou em grande parte, a culpa pode ser nossa, confundindo uma falta de conformidade de gosto ou de julgamento conosco, com algo a ser condenado neles.

 

Mas o Senhor não poderia estar assim enganado; e ainda assim Ele nunca foi vencido “do mal”, mas sempre venceu “o mal com o bem” – o mal que havia neles com o bem que havia n’Ele mesmo. Vaidade, mau humor, indiferença para com os outros e cuidado consigo mesmo, ignorância depois de serem diligentemente instruídos, eram algumas das coisas neles que Ele tinha que sofrer continuamente. Sua caminhada com eles, à sua maneira e medida, foi um dia de provocação, como haviam sido os quarenta anos no deserto. Israel novamente tentou o Senhor, posso dizer – mas novamente provou d’Ele. É bendito dizer isso; eles O provocaram, mas com isso provaram d’Ele. Ele sofreu, mas aceitou com paciência. Ele nunca desistiu deles. Ele os advertiu e ensinou, os repreendeu e condenou, mas nunca os abandonou. Não; no final da caminhada juntos, Ele está mais próximo deles do que nunca.

 

Isso é perfeito e excelente, e reconfortante para nós. O trato do Senhor com a consciência nunca muda Seu coração. Não perdemos nada com Suas repreensões. E Aquele que não afasta de nós o Seu coração quando está lidando com a nossa consciência, é rápido em restaurar nossa alma, para que a consciência, por assim dizer, possa em breve deixar a sua escola, e o coração encontrar novamente a sua feliz liberdade em Sua presença. Conforme expresso naquele hino, que alguns de nós conhecemos:

 

“Ainda é doce descobrir,

 Se as nuvens obscureceram minha visão,

 Quando passadas, Amante Eterno,

 Perto de mim, como sempre, Tu és brilhante.”

 

E gostaria ainda de notar que nos caracteres que, no decorrer do Seu ministério, Ele é chamado a assumir (pode ser apenas por uma ocasião, ou por um momento passageiro), vemos a mesma perfeição, a mesma glória moral, como no caminho que Ele trilha diariamente. Como, por exemplo, o de um Juiz, como em Mateus 23, e o de um Advogado ou Suplicante em Mateus 22. Mas eu apenas sugiro isto: o tema é muito abundante. Cada passo, palavra e ação carregam consigo um raio desta glória; Havia mais para preencher os olhos de Deus na vida de Jesus, do que teria havido na eternidade da inocência de Adão. Foi no meio da nossa ruína moral que Jesus caminhou; e de uma região como esta foi a que Ele enviou ao trono nas alturas, um sacrifício mais rico, de cheiro suave, do que o Éden, e o Adão do Éden, se este tivesse continuado imaculado para sempre, teria ou poderia ter produzido. O tempo não fez nenhuma mudança no Senhor. Exemplos semelhantes de graça e caráter n’Ele, antes e depois de Sua ressurreição, nos dão possessão desta verdade, que é de grande importância para nós. Sabemos o que Ele é neste momento e o que será para sempre a partir do que já foi – tanto no caráter como na natureza – no relacionamento conosco, bem como em Si mesmo – “o mesmo ontem, e hoje, e eternamente”. A própria menção disso é abençoada. Às vezes podemos ficar tristes com as mudanças, às vezes podemos desejá-las. De diferentes maneiras, todos provamos a natureza inconstante e incerta daquilo que constitui a vida humana. Não apenas as circunstâncias, que são mutáveis para um provérbio, mas também as associações, as amizades, as afeições, os caracteres, sofrem continuamente variações que nos surpreendem e nos entristecem. Somos levados de um estágio a outro da vida; mas afeições não diminuídas e princípios imaculados raramente são levados conosco, seja em nós mesmos ou em nossos companheiros. Mas Jesus foi O mesmo depois da Sua ressurreição como era antes, embora os últimos acontecimentos tivessem colocado a Ele e aos Seus discípulos a uma distância maior do que os Seus companheiros alguma vez conheceram, ou poderiam alguma vez conhecer. Eles revelaram seu coração infiel, abandonando-O e fugindo na hora de Sua fraqueza e necessidade; enquanto Ele, por causa deles, passou pela morte – uma tal morte que nunca poderia ter sido suportada por outro, pois teria esmagado a própria criatura. Eles ainda eram pobres e fracos galileus – Ele foi glorificado com todo o poder no céu e na Terra.

 

Mas essas coisas não causaram qualquer mudança; “nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura”, como fala o apóstolo, poderia causar mudança. O amor desafia a todos e lhes devolve o Jesus que antes conheciam. Ele é o Companheiro de trabalho deles após Sua ressurreição, ou melhor, após Sua ascensão, como havia sido nos dias de Seu ministério e permanência com eles. Isso aprendemos no último versículo de Marcos. No mar, no dia de Mateus 14, eles pensaram ter visto um fantasma e gritaram com medo; mas o Senhor deu-lhes a saber que era Ele mesmo Quem estava ali, perto deles, e em graça, embora na força divina e na soberania sobre a natureza. E assim, em Lucas 24, ou depois que Ele ressuscitou, Ele toma o favo de mel e o peixe assado e come diante deles, para que com a mesma certeza e tranquilidade de coração eles possam saber que era Ele mesmo. E Ele queria que eles O tocassem e vissem; dizendo-lhes que um espírito não tinha carne e nem ossos, como eles poderiam então ver que Ele tinha.

 

Em João 3, Ele conduziu um rabino tardo de coração à luz e ao caminho da verdade, suportando-o com toda graça paciente. E assim Ele fez novamente em Lucas 24, depois que ressuscitou, com os dois tardos de coração que estavam voltando para Emaús.

 

Em Marcos 4 Ele acalmou os medos do Seu povo antes de repreender a incredulidade deles. Ele disse aos ventos e às ondas: “Cala-te, aquieta-te”, antes de dizer aos discípulos: “Ainda não tendes fé?” E assim fez Ele, como o Ressuscitado, em João 21. Ele Se assenta e come com Pedro, em plena e livre comunhão, como se não houvesse quebra de espírito, antes de desafiá-lo e despertar sua consciência com as palavras: “Simão, filho de Jonas, amas-Me?”

 

O Jesus ressuscitado que apareceu a Maria Madalena, a evangelista, tem o cuidado de nos dizer, foi aquela que noutros dias Ele havia expulsado dela sete demônios – e ela mesma conhecia a voz que então a chamava pelo seu nome, como uma voz que o seu ouvido já conhecia há muito tempo. Que identidade entre o Humilhado e o Glorificado, o Curador dos pecadores e o Senhor do mundo vindouro! Como tudo isso nos diz que, tanto no caráter quanto em glória pessoal divina, Aquele que desceu é O mesmo que subiu. João, também, em companhia de seu Senhor ressuscitado, é reconhecido como Aquele que Se recostou em Seu seio na ceia. “Eu sou Jesus”, foi a resposta do lugar ascendido, o lugar mais alto no céu, à mão direita do trono da majestade ali, quando Saulo de Tarso perguntou: “Quem és Tu, Senhor?” (Atos 9). E tudo isso é tão individual e pessoal na sua aplicação para nós. Somos nós mesmos que estamos interessados neste Pedro, pois ele mesmo conhece o seu mestre, O mesmo para ele antes e depois da ressurreição. Em Mateus 16 o Senhor o repreende; mas logo depois o leva Consigo até o monte, com tanta liberdade de coração como se nada tivesse acontecido. E assim acontece com o mesmo Pedro – em João 21 ele é novamente repreendido. Ele estava ocupado, como era seu costume, intrometendo-se no que estava além dele. “Senhor, e deste que será?” diz ele, olhando para João – e seu Mestre tem que repreendê-lo novamente – "que te importa a ti?" Mas, novamente, diante dessa repreensão, por mais dura e decisiva que tenha sido, o Senhor imediatamente depois o leva, junto com João, em Sua comitiva ou em sua companhia até o céu. Foi um Pedro repreendido que uma vez foi com o Senhor ao monte santo; e é um Pedro repreendido, o mesmo Pedro que agora vai com o Senhor para o céu; ou, se quisermos, ao monte da glória, ao monte da transfiguração, uma segunda vez[2]. [2] Alguns parecem julgar que foi o profundo amor de Pedro por João que o levou a perguntar ao Senhor sobre ele. Eu nego isso.

 

De fato, tudo isso é repleto de forte consolo. Este é Jesus nosso Senhor, o mesmo ontem, e hoje e eternamente; o mesmo no dia do Seu ministério, depois da Sua ressurreição, agora nos altos céus, e assim para sempre; e como Ele mantém o mesmo caráter e Se aprova pela mesma graça antes e depois da ressurreição, Ele também resgata todas as Suas promessas deixadas com Seus discípulos.

 

Quer seja nos Seus próprios lábios, quer nos lábios dos Seus anjos, ainda é agora como antes, desde que Ele ressuscitou como antes de sofrer: “Não temais”; Ele havia falado com Seus discípulos antes sobre dar-lhes Sua paz; e descobrimos que Ele faz isso depois da maneira mais enfática. Ele pronuncia paz sobre eles no dia de João 20; e feito isso, mostra-lhes Suas mãos e Seu lado; onde, como em linguagem simbólica, eles poderiam ler Seu título para uma paz forjada e comprada para eles por Ele mesmo, a paz d’Ele, inteiramente Sua, obtida apenas por Ele mesmo, e agora era deles por um título irrevogável e imutável.

 

Nos dias anteriores o Senhor lhes disse: “Porque eu vivo, e vós vivereis”; e agora, nos dias de ressurreição, nos dias do Homem ressuscitado, em possessão da vida vitoriosa, Ele lhes concede essa vida na medida mais plena e perfeita, soprando sobre eles e dizendo: “Recebei o Espírito Santo”.

 

O mundo não O veria novamente, como Ele também lhes havia dito; mas eles deveriam vê-Lo. E assim acontece. Ele foi visto por eles durante quarenta dias e falou-lhes das coisas pertencentes ao reino de Deus. Mas tudo isso foi em segredo: o mundo não O viu desde a hora do Calvário, nem O verá até que O veja no julgamento.

 

Como testemunha mais submissa e humilde de Sua total fidelidade a todas as Suas promessas, podemos observar que Ele Se encontra com Seu povo na Galileia, como havia prometido. Como uma expressão mais ampla do mesmo, posso também observar, Ele os leva ao Pai no céu, como também lhes havia prometido, enviando-lhes uma mensagem, que Ele estava subindo para Seu Pai e para o Pai deles, para Seu Deus e ao Deus deles. E assim, quer tenha sido em nossa Galileia na Terra, ou em Sua própria casa no céu, que Sua presença lhes foi prometida, ambas são igualmente cumpridas para eles. E bem podemos meditar sobre as condescendência, a fidelidade, a plenitude, a simplicidade, a grandeza, a elevação, de tudo o que forma e marca o Seu caminho diante de nós. O Senhor teve muito a ver com Pedro, além de qualquer um dos discípulos, enquanto Ele ministrava no meio deles, e descobrimos o mesmo depois que Ele ressuscitou dos mortos. Pedro é quem ocupa, por assim dizer, todo o último capítulo de João. Ali o Senhor continua com ele a obra graciosa que Ele havia começado antes de deixá-lo, e continua exatamente do ponto onde a deixara. Pedro havia revelado uma confiança própria especial. Embora todos pudessem se escandalizar, ele não se escandalizaria, disse ele; e mesmo que devesse morrer com seu Mestre, ele não O negaria. Mas seu Mestre lhe havia falado da vaidade de tais vanglórias? E também lhe contou sobre Sua oração por ele, para que a fé dele não desfalecesse. E quando se descobriu que a vanglória era realmente uma vaidade, e Pedro negou seu Senhor, mesmo com um juramento, seu Senhor olhou para ele, e esse olhar teve sua operação abençoada. A oração e o olhar valeram a pena. A oração evitou que sua fé falhasse, mas o olhar partiu seu coração. Pedro não “retirou-se”, mas Pedro chorou e “chorou amargamente”. No início deste capítulo, encontramos Pedro nesta condição – na condição em que a oração e o olhar o colocaram. Ele é capacitado a dar uma prova muito doce de que sua fé havia falhado; pois assim que soube que era seu Senhor Quem estava na praia, ele se jogou na água para alcançá-Lo; não, porém, como um penitente, como se já não tivesse chorado, mas como alguém que podia confiar em Sua presença com plena segurança de coração; e nesse caráter Seu mais abençoado e gracioso o Senhor o aceita, e eles comem juntos na praia. A oração e o olhar já haviam feito o seu trabalho com Pedro e não devem ser repetidos. O Senhor simplesmente prossegue com a Sua obra assim iniciada, para conduzi-la à perfeição. Assim, a oração e o olhar são agora seguidos pela palavra. A restauração segue convicção e lágrimas. Pedro é colocado na posição de fortalecer seus irmãos, como seu Senhor uma vez lhe dissera; e também para a posição de glorificar a Deus por meio de sua morte, um privilégio que ele havia perdido por sua incredulidade e negação.

 

Esta foi a palavra de restauração, seguindo a oração que já tinha sustentado a fé de Pedro e o olhar que já lhe tinha partido o coração. Ele havia ensinado no dia de João 13 a esse mesmo amado Pedro, que um homem lavado não precisa ser lavado novamente, exceto apenas os pés; e exatamente dessa maneira Ele agora trata com ele.

 

Ele não o submete novamente ao processo de Lucas 5, quando a grande quantidade de peixes irresistivelmente o venceu e ele descobriu que era um pecador; mas Ele lava os pés sujos de Pedro. Ele o restaura e se coloca novamente em seu lugar designado (veja João 21:15-17).

 

Mestre Perfeito! O mesmo para nós ontem, e hoje e eternamente; O mesmo na habilidade graciosa e perfeita do amor, continuando com o trabalho que já havia começado, retomando, como o Senhor ressuscitado, o serviço que Ele havia deixado inacabado quando foi tirado deles, retomando-o no exato momento, unindo o passado ao serviço presente na mais plena graça e habilidade!

 

E um pouco mais ainda, quanto ao cumprimento de Seus compromissos e promessas. Houve algo muito distinto que Ele lhes deu depois de ressuscitar. Quero dizer, o que Ele chama de “a promessa do Pai” e “poder do alto”. Esta promessa foi feita a eles no dia de Lucas 24, depois que Ele ressuscitou, e foi cumprida a eles no dia de Atos 2, depois que Ele subiu e foi glorificado.

 

Certamente isso apenas continua a história e o testemunho de Sua fidelidade. Tudo testemunha por Ele – Sua vida antes de sofrer, Seus relacionamentos de ressurreição com Seus discípulos, e agora o que Ele fez desde que ascendeu – que nenhuma mudança nem sombra de mudança é encontrada n’Ele.

 

E eu não deixaria passar outro exemplo disso, que encontramos novamente em Lucas 24. O Senhor ressuscitado reconhece ali o mesmo lugar em que Ele havia deixado Seus discípulos em Suas instruções anteriores. “São estas as palavras”, diz Ele, “que vos disse estando ainda convosco: convinha que se cumprisse tudo o que de Mim estava escrito na Lei de Moisés, e nos Profetas, e nos Salmos". Ele assim os lembra que já havia lhes dito que as Escrituras eram o grande testemunho da mente divina, que tudo o que foi escrito ali deve certamente ser realizado aqui. E agora o que Ele faz? Aquilo que é o seguimento simples e consistente deste Seu ensinamento anterior. “Então, abriu-lhes o entendimento para compreenderem as Escrituras”. Seu poder agora se une às instruções anteriores. Ele está concretizando neles o que já lhes havia comunicado[3]. [3] Para nosso conforto, posso acrescentar que, depois de ressuscitar, Ele nunca lembrou aos Seus discípulos do último abandono deles na hora de Sua dor.


J. G. Bellett

 





195 visualizações

Comments


bottom of page